19 fevereiro 2016

[Inglaterra/França 2015] 8º dia: Saída Londres / Chegada Vale do Loire (via Paris)

No relato deste dia, irei compartilhar detalhadamente nossa saída de Londres pela estação St Pancras International, de onde pegaremos um trem Eurostar de Londres a Paris. Em Paris, pegaremos um carro alugado na estação Gare du Nord e seguiremos rumo ao Vale do Loire, região no interior da França (ao sul de Paris) famosa pelos diversos castelos espalhados às margens do rio Loire e outros rios adjacentes.

As principais dicas que deixo no relato são: experiência de dirigir pelo interior da França, incluindo informações sobre os pedágios existentes no percurso; e hospedagem na cidade de Amboise, sendo ponto de partida para visitar os castelos do Vale do Loire.

A seguir, o roteiro para o dia de hoje, o relato detalhado (com o mapa do trajeto percorrido de Paris a Amboise) e, ao final, a estimativa de gastos comparada com os gastos efetivos.

ROTEIRO ORIGINAL (Domingo – 27/09/2015):

Check-out no hotel Studios 2 Let Serviced Apartments (Londres)
Trem Eurostar de Londres a Paris às 09:22
Retirada do carro alugado às 15:00
Percurso Paris-Amboise
Check-in no hotel Ibis Amboise (Vale do Loire)

RELATO DO DIA:

Hoje é dia de deixar Londres... Depois de uma semana intensa de passeios, ainda fica aquela sensação de quero mais!

Acordamos cedinho, tomamos café da manhã no quarto e às 07:30 descemos com nossas malas para fazer o check-out. Essa parte de descer com as malas não foi legal! Na postagem 1º dia: Chegada a Londres (via Paris), comentei que o nosso quarto ficava no último andar (acho que era o quarto andar) e não havia elevador. Ainda bem que tínhamos apenas uma mala média e uma mala de bordo, mas mesmo assim foi bem chato carregá-las escada abaixo. Se você está pensando em se hospedar no hotel Studios 2 Let Serviced Apartments, fique ciente da existência de quatro andares e nenhum elevador!

Durante o check-out, aproveitamos para devolver o adaptador de tomada que havíamos solicitado no primeiro dia (depósito de $10,00 libras que nos foi devolvido). Lembrando que a Inglaterra possui um padrão de tomada bem diferente do que estamos acostumados.

Do hotel, seguimos a pé rumo à estação St Pancras International, que fica a uns 10 minutos de caminhada pela Euston Road, e de onde pegaremos um trem Eurostar de Londres a Paris.

A estação St Pancras é enorme, com várias entradas. Porém, a entrada para a parte internacional fica na lateral com acesso pela rua Pancras Road.

Fachada da bela e imponente estação St Pancras, em Londres. Prédio datado de 1868.

Entrada para a St Pancras International, de onde saem os trens Eurostar de Londres a Paris.


Chegamos à estação por volta das 08:00 e já na entrada percebemos o quanto é mais bonita, limpa e organizada que a muvucada estação Gare du Nord em Paris!

Inicialmente, passamos por uma catraca eletrônica onde devemos passar nossos tickets. Em um mesmo corredor, primeiro passamos pela imigração inglesa, para registrar a saída do país, depois pela imigração francesa para registrar a entrada. Após a imigração, as malas e demais pertences devem passar por um scanner e as pessoas por um detector de metais, tal como acontece nos aeroportos. Foi tudo muito rápido, e logo ficamos na área de embarque aguardando a chamada para o trem que sairia às 9:20. 

Um pouco antes da saída do trem, começou o embarque. Nosso vagão era o 18 e nossos assentos, 51 e 52. Como nossas malas não eram grandes, conseguimos colocá-las no compartimento que fica sobre os assentos.

Nosso vagão no trem Eurostar de Londres a Paris.


O trem saiu de Londres na hora exata, às 09:20. A viagem até Paris dura em torno de 2:30h e foi bem tranquila. As poltronas são confortáveis e conseguimos até tirar uma soneca! Chegamos à estação Gare du Nord em Paris às 12:50, horário local (Paris estava uma hora a mais que Londres).

Assim que desembarcamos, fomos ao banheiro, que era pago, um valor simbólico de $0,70 euro por pessoa. Em seguida, fomos comer na lanchonete Autogrill, a mesma onde comemos no início desta viagem. Compramos duas baguetes de queijo e presunto e duas garrafas de água no total de $12,70 euros. Dividimos uma baguete e guardamos a outra para comer mais tarde.

Daqui, seguiremos viagem de carro para visitar o Vale do Loire (pronuncia-se "luar"), região no interior da França (ao sul de Paris) famosa pelos diversos castelos espalhados às margens do rio Loire e outros rios adjacentes. A existência de tantos castelos, ou châteaux em francês, é resultante da escolha de vários monarcas em manter residência nesta região. Por conta de tanta beleza e magnitude, desde 2002, o Vale do Loire é considerado Patrimônio Mundial da UNESCO por sua paisagem cultural.

Durante o planejamento desta viagem, fizemos a reserva do carro alugado diretamente no site da Europcar, agendando a retirada para às 15:00. Contudo, ainda eram 14:00. Resolvemos arriscar e fomos no balcão da locadora, que fica no nível -1 da Gare du Nord, bem próximo da área de embarque para os trens da Eurostar. Chegando lá, o atendente disse que o carro só estaria disponível às 15:00, então tivemos que aguardar pacientemente.

A Gare du Nord não é das melhores estações, há pouquíssimos lugares para sentar, muita muvuca e pessoas tentando lhe abordar o tempo todo. Enfim, todas as minhas considerações a respeito desta estação, além de fotos, estão detalhadas na postagem 1º dia: Chegada a Londres (via Paris).

Às 15:00 em ponto voltamos ao balcão da Europcar e o carro já estava disponível. Como é de costume, o marido sempre fica responsável em ser o motorista nas nossas viagens internacionais (eu morro de medo!). Sendo assim, ele preencheu toda a papelada, apresentou um cartão de crédito e sua habilitação (não foi necessário apresentar a PID - Permissão Internacional para Dirigir), e, finalmente, recebemos a chave do carro, que deveria ser retirado no nível -6 bleu (azul em francês) na vaga informada.

Observação: Apesar da aparente não obrigatoriedade da PID (Permissão Internacional para Dirigir) na França, pedi para que o marido emitisse a sua PID antes da viagem. Basta procurar o DETRAN do seu estado e seguir as formalidades.

Chegamos ao nível -6 da estação, um lugar escuro, feio, sujo e que fedia a urina! A visão do inferno! Sem contar que não havia uma alma viva circulando pelo local, o que já me deixava amedrontada!

Nível -6 da estação Gare du Nord, de onde são retirados os carros alugados.


Finalmente encontramos nosso carro, um Renault de um modelo que nunca vi no Brasil, porém bem bonitinho. No momento da reserva no site da Europcar, escolhemos um modelo Compacto já com GPS embutido (Peugeot 2008 GPS ou similar), que vinha com câmbio manual e combustível a diesel. Pelo visto, este é o comum aqui na França. O tanque já vinha cheio, logo, teríamos que devolver o carro também com o tanque cheio. A reserva para seis dias totalizou em $165,00 euros, valor este que deixaremos ser debitado automaticamente no cartão de crédito.

Nosso carro alugado pela Europcar.


Guardamos nossas malas, entramos no carro, configuramos o GPS e seguimos as placas indicativas para sair do estacionamento. Quando conseguimos sair do edifício garagem, em torno das 15:30, percebemos que o trânsito nos arredores da Gare du Nord estava bem agitado para um domingo. Mas vamos na fé e com calma que tudo dará certo!

Durante o planejamento desta viagem, após muitas pesquisas, não havia dúvidas de que a melhor forma de visitar o interior da França (Vale do Loire e Normandia) seria de carro. Porém, nossa maior dúvida era de onde retirar/devolver o carro. Os relatos aconselhando não alugar o carro em Paris eram unânimes, por conta do trafego intenso e de outras dificuldades. Cheguei até a pesquisar preços de trem para o Vale do Loire, contudo, a melhor logística de locomoção para o roteiro que criei seria retirar e devolver o carro em Paris mesmo. Como o marido costuma ser o motorista nas nossas viagens internacionais, pedi a opinião dele e ele concordou. Então vamos ver o que acontece! 

Recomendo muito uma lida nos relatos do Arnóbio do blog Meus Planos de Viagem. Como nossa viagem é bem parecida com a que ele fez para o interior da França, seus relatos sobre alugar e devolver o carro em Paris, além da experiência de dirigir pelo interior da França, nos ajudaram bastante a tomar a decisão final sobre o aluguel do carro. 

Além disso, tive muitas dúvidas também com relação ao pedágio (péage) na França, basicamente sobre os valores (para incluir no planejamento financeiro) e funcionamento. Pesquisei bastante e encontrei um site bem bacana, autoroutes.fr, onde podemos preencher a origem e o destino e o resultado é o itinerário com informações sobre distância, tempo, custo do pedágio e de combustível. No detalhamento do itinerário vem o trajeto completo com o nome das vias e os locais exatos das cabines de pedágio. Salvei o itinerário dos principais trajetos que iremos percorrer durante nossa visita ao interior da França.

Dica: Uma ferramenta muito útil para mim é o Dropbox, uma pasta virtual onde jogo todos os arquivos referentes ao planejamento da viagem e consigo acessá-los de qualquer lugar. No smartphone, é possível acessar os arquivos até sem internet disponível, contanto que estes tenham sido marcados como "disponível offline".

A distância de Paris a Amboise é de aproximadamente 230km, o que dá em torno de 2:45h de viagem. A maior parte do trajeto é feita pela rodovia A10, que possui cobrança de pedágio. Conforme o site autoroutes.fr o valor do pedágio para este trajeto é de $19,30 euros, então já deixei o valor certinho separado, minha função como assistente de motorista!

Escolhemos a cidade de Amboise para nos hospedar e ser o nosso ponto de partida para visitar os castelos do Vale do Loire. Confesso que tal escolha foi totalmente baseada nas dicas da Claudia Liechavicius do blog Viajar pelo Mundo!.

Dirigindo pela França, de Paris a Amboise (Vale do Loire).


Quando passamos por Saint Arnault, depois de um hora de viagem, nos deparamos com as cabines de pedágio, pois iríamos entrar na rodovia A10. Neste momento, retiramos apenas o ticket, não há pagamento ainda. O pagamento deverá ser efetuado somente na saída da A10, sendo o valor calculado de acordo com a distância percorrida.

Dica: Atenção na hora de escolher a cabine de pedágio, pois algumas possuem propósitos específicos, como os passes especiais, que geralmente não costuma ser o caso de nós turistas.

Importante: Sempre guardar o ticket do pedágio na entrada de uma rodovia pedagiada, pois o mesmo será solicitado no momento da saída da rodovia para calcular o valor do pedágio, conforme a distância percorrida.

Cabines de pedágio na entrada da rodovia A10. Aqui apenas retiramos o ticket, não há pagamento ainda.

Dirigindo pela rodovia A10, rumo à cidade de Amboise, no Vale do Loire.


Depois de 2:30h de viagem, finalmente pegamos a saída para Amboise. Neste momento, nos deparamos com as cabines de pedágio para efetuar o pagamento. Só havia três cabines, todas automáticas, ou seja, sem atendentes, sendo que duas pareciam ser especiais (para portadores de passes). Escolhemos então a cabine do meio. O marido inseriu o ticket na máquina e no visor apareceu o valor do pedágio: $19,30 euros. Existem entradas específicas para cédulas e moedas. A medida que o marido colocava o dinheiro na máquina, no visor ficava aparecendo o valor que faltava. Ao final, a máquina retornou o ticket validado e a cancela abriu para que pudéssemos passar. Enfrentamos nosso primeiro pedágio francês com sucesso! Uhuuuu!

Saímos da rodovia A10 e entramos na D31, já bem pertinho de Amboise.

Chegando a Amboise.


Chegamos ao hotel Ibis Amboise às 18:15, onde ficaremos hospedados pelos próximos três dias, durante nossa visita ao Vale do Loire. Escolhi este hotel, que fica fora do centro da cidade, por conta do seu estacionamento amplo e gratuito.

Fizemos o check-in e nos deram o quarto 201. Ainda bem que era só um lance de escada para subir com as malas!

Hotel Ibis na cidade de Amboise, onde ficaremos hospedados para conhecer o Vale do Loire.

Nosso pequeno quarto no Hotel Ibis Amboise.


Descansamos um pouco no quarto e depois fomos nos arrumar para jantar no centro de Amboise. Como o hotel fica mais afastado, obrigatoriamente temos que ir de carro, mas é coisa rápida, tipo uns 5 minutinhos.

Encontramos um estacionamento gratuito na Quai Charles Guinot, uma das principais ruas da cidade, que fica às margens do rio Loire. Logo que estacionamos e saímos do carro, a cidade parecia estar super deserta. Aparentemente, o domingo à noite não bomba por aqui!

Ficamos um tempo apreciando a bela vista para o rio Loire e a Pont du Maréchal Leclerc. Chegamos às 20:00 e o sol tinha acabado de se por, então ainda não havia escurecido totalmente.

Vista para o rio Loire e a Pont du Maréchal Leclerc, em Amboise.


Caminhamos até a Place Michel Debré, onde ficam os restaurantes e a entrada para o Château d'Amboise. Demos uma voltinha para ver os restaurantes que estavam abertos e quais eram as opções de refeição. Nesta rápida caminhada, já pudemos constatar o quão charmosa Amboise é. Definitivamente, uma delícia de lugar!

Caminhando até o centro de Amboise.

Rumo a Place Michel Debré, onde ficam os restaurantes e a entrada para o Château d'Amboise.

Chegando a Place Michel Debré.

Place Michel Debré.

Place Michel Debré. À esquerda, podemos ver parte do Château d'Amboise. Ao fundo, a lua que estava linda!

Até a lua estava contribuindo para dar mais charme ao local.


Passamos por vários restaurantes, olhamos cardápios, mas tudo parecia muito sofisticado, ainda mais em francês! Como estávamos cansados para traduzir e pesquisar pelos nomes dos pratos, acabamos optando por algo mais tradicional e simples... um bom sanduíche no restaurante Brasserie Hippeau! O cardápio tinha tradução para o inglês, o que facilitou nossa vida.

Entramos e procuramos uma mesa para nos sentar (ninguém nos conduziu até a mesa, como é de costume nos restaurantes americanos). O restaurante estava praticamente vazio. Achei o ambiente espaçoso e agradável. Logo uma atendente apareceu e usei de todo o meu francês (acredite, é tudo que sei!):

- Bonjour! (Olá!)
- Pardon, je ne parle pas français. (Desculpe, eu não falo francês.)
- Parlez-vous anglais? (Você fala inglês?)

Ainda bem que ela falava inglês e foi super simpática conosco! 

Pedimos dois hambúrgueres com batata-frita e duas sodas. Depois de uns 20 minutos nossos sanduíches chegaram. Não sei se era a fome, mas achei o sanduíche bem saboroso. De sobremesa, não resistimos e pedimos um crème brûlée (tradicional sobremesa francesa) para dividir. O bom foi que a sobremesa já veio dividida em dois pratinhos separados. Só posso dizer que estava sensacional! Amo muito crème brûlée!

Interior da Brasserie Hippeau, restaurante que escolhemos para jantar em Amboise.

Resolvemos não complicar e pedimos um hambúrguer mesmo!

De sobremesa, um maravilhoso e tradicional crème brûlée. Adoro!


A conta totalizou em $39,80 euros. Abaixo, a descrição da conta com o valor de cada item (em euros):

- Hambúrguer: 2 x 14,00 = 28,00
- Refrigerante: 2 x 2,90 = 5,80
- Crème brûlée: 6,00
TOTAL: $39,80

Como o serviço não estava incluído, resolvemos deixar uma gorjeta de $5,00 euros, totalizando em um gasto de $44,80 euros.

Saímos do restaurante às 21:30 e voltamos ao hotel. Queríamos ter comprado alguns suprimentos básicos, como água e lanchinhos, mas não deu porque as lojas estavam fechadas. O jeito foi comprar uma garrafa de 2 litros de água no próprio hotel a um valor inflacionado de $4,40 euros! Só tinha água em garrafa de vidro...

Abaixo, o mapa com o trajeto percorrido de Paris a Amboise, com os pontos de pedágio e com os castelos que pretendemos visitar durante nossa estadia no Vale do Loire.




GASTOS DIÁRIOS (em Euros, para o casal):

ESTIMATIVA DE GASTOS GASTOS EFETIVOS ECONOMIA
Alimentação: 80,00 Alimentação: 61,90 18,10
Pedágio Paris-Amboise: 19,30 Pedágio Paris-Amboise: 19,30 0,00
Banheiro Gare du Nord: 0,70x2=1,40 -1,40
99,30 82,60 16,70
Saldo Anterior: 2.003,85 / Saldo Atual: 1.921,25 / Economia Geral: 22,65

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...