25 abril 2016

[Inglaterra/França 2015] 14º dia: Saída Rouen / Giverny / Chegada Paris

No relato deste dia, irei compartilhar nossa saída de Rouen para visitar o próximo e último destino na Normandia: a pequena cidade de Giverny, bastante conhecida por conta do pintor impressionista francês Claude Monet, que viveu e trabalhou no local de 1883 até o seu falecimento em 1926. A Casa e os Jardins de Monet estão abertos para visitação, principalmente de abril a outubro.

Após visitar Giverny, seguiremos de carro para o nosso último e tão aguardado destino desta viagem: Paris! Ficaremos hospedados no Hôtel de la Paix, localizado no bairro Montparnasse.

As principais dicas que deixo no relato são: visita à Casa e aos Jardins de Monet, em Giverny; experiência de dirigir pelo interior da França, incluindo informações sobre os pedágios existentes no percurso de Rouen a Paris; e a compra dos bilhetes para utilização do metrô de Paris.

A seguir, o roteiro para o dia de hoje, o relato detalhado com vários mapas indicativos, e, ao final, a estimativa de gastos comparada com os gastos efetivos.

ROTEIRO ORIGINAL (Sábado – 03/10/2015):

Check-out no hotel Ibis Champ de Mars em Rouen
Percurso Rouen-Giverny (Normandia)
Visita à Fundação Claude Monet (Casa e Jardins de Monet)
Percurso Giverny-Paris
Check-in no Hôtel de la Paix em Paris

RELATO DO DIA:

Acordamos cedo e tomamos café da manhã no próprio hotel, que não está incluído na diária e custa $11,30 euros por pessoa. Voltamos para o quarto, terminamos de arrumar nossas coisas e fomos fazer o check-out. Tivemos que pagar uma taxa de $1,30 euros pelo nosso pernoite no quarto duplo. Além disso, pagamos também o valor de $8,00 euros referente à diária do estacionamento do hotel.

Informação Importante: No momento da reserva do hotel Ibis Champ de Mars em Rouen pelo Hoteis.com, havia a informação de que o hotel solicitaria o pagamento de um imposto local de $1,32 euros (calculado pelo número de diárias no quarto duplo) no momento do check-in ou check-out. Então, fique atento para depois não se assustar com a cobrança!

Às 9:00 pegamos a estrada rumo a Giverny, ainda na região da Normandia, antes de seguir para o nosso último destino nesta viagem: Paris!

Giverny fica à sudeste de Rouen, a uma distância aproximada de 74km, totalizando em quase 1h de viagem. O trajeto é feito principalmente pela rodovia pedagiada A13. Conforme o site autoroutes.fr, o valor do pedágio para este trajeto é de $3,50 euros.

Dica: O site autoroutes.fr possui informações importantes sobre as rodovias da França, com opção de preencher a origem e o destino e o resultado é o itinerário com informações sobre distância, tempo, custo do pedágio e de combustível. No detalhamento do itinerário vem o trajeto completo com o nome das vias e os locais exatos das cabines de pedágio. Salvei o itinerário dos principais trajetos que iremos percorrer durante nossa visita ao interior da França.

Dica: Uma ferramenta muito útil para mim é o Dropbox, uma pasta virtual onde jogo todos os arquivos referentes ao planejamento da viagem e consigo acessá-los de qualquer lugar. No smartphone, é possível acessar os arquivos até sem internet disponível, contanto que estes tenham sido marcados como "disponível offline".

Depois de 30 minutos dirigindo pela rodovia A13, resolvemos fazer uma parada para abastecer o carro. Pelas rodovias estão espalhadas diversas áreas oferecendo serviços como: postos de combustível, restaurantes e lanchonetes, lojas de conveniência, entre outros. Existem placas indicativas destas áreas ao longo das rodovias, informando a distância para a próxima área e os serviços oferecidos. Paramos na "Aire de Vironvay Sud".

No posto não há frentistas para nos atender, ou seja, é um abastecimento "self-service". Diferente do abastecimento anterior que fizemos (veja a postagem sobre a nossa saída do Vale do Loire), aqui primeiro abastecemos o carro e depois pagamos o valor na loja de conveniência. Havíamos feito um cálculo prévio e decidimos colocar $30,00 euros de combustível.

O preço/litro de diesel, no posto onde abastecemos, estava custando $1,256 euros. Sendo assim, com $30,00 euros abastecemos o carro com 23,89 litros de diesel. Esta quantidade foi suficiente para deixar o tanque do carro cheio.

Dica: Em alguns postos de combustível, o nome "gasoil" é usado no lugar de "diesel". Porém, são a mesma coisa.

Carro abastecido, pegamos nosso rumo de volta à rodovia. Depois de 10 minutos dirigindo pela rodovia A13, chegamos às cabines de pedágio. Aqui, diferente de outros momentos em que passamos pelo pedágio, não houve retirada de ticket e já tivemos que efetuar o pagamento. Escolhemos uma cabine específica para pagamento em espécie, sendo que o valor do pedágio totalizou em $3,50 euros, tal como previsto pelo site autoroutes.fr.

Dica: Atenção na hora de escolher a cabine de pedágio, pois algumas possuem propósitos específicos, como os passes especiais, que geralmente não costuma ser o caso de nós turistas. Outras aceitam somente pagamento no cartão ou em espécie.

Chegando às cabines de pedágio na rodovia A13.

Percebam que algumas cabines têm propósitos específicos: pagamento em cartão ou passes especiais.

Rumo a Giverny, na França.


Por volta das 10:00, chegamos à pequena Giverny, uma vila na região da Normandia, a apenas 80km de Paris. Giverny ficou bastante conhecida por conta do pintor impressionista francês Claude Monet, que viveu e trabalhou aqui de 1883 até o seu falecimento em 1926.

Chegando a Giverny, para conhecer a casa e os jardins de Claude Monet.


Abaixo, o mapa com o trajeto percorrido de Rouen a Giverny, incluindo a indicação do ponto de pedágio pelo caminho.




Perto da Fundação Claude Monet (Fondation Claude Monet), principal atração da cidade por sediar a Casa e os Jardins de Monet, existem alguns estacionamentos gratuitos. Conseguimos estacionar sem problemas pois ainda havia muitas vagas disponíveis. Fomos andando pela Rue Claude Monet em busca da entrada da Fundação e acabamos entrando equivocadamente no Museu do Impressionismo de Giverny (Musée des Impressionnismes Giverny). Na bilheteria, o atendente nos explicou que a entrada para a Fundação Monet ficava mais adiante na mesma rua.

Caminhando pela Rue Claude Monet, em Giverny. Um charme!


Enfim chegamos à entrada correta da Fundação e compramos os nossos ingressos para conhecer a Casa e os Jardins de Monet, abertos para visitação principalmente de abril a outubro. Cada ingresso custou $9,50 euros e a compra foi bem rápida pois não havia fila neste momento.

Fizemos uma parada estratégica ao banheiro do local (deixamos $2,00 euros para contribuir com a limpeza) e seguimos para fazer logo a visitação no interior da casa de Claude Monet. Já eram 10:40 quando chegamos à entrada da casa e já havia uma bela fila nos aguardando! Que jeito né?! Mas até que a fila fluiu rápido e em 15 minutos entramos na casa.

Claude Monet nasceu em Paris em 1840 e foi um dos fundadores da pintura impressionista na França. O artista se mudou para Giverny em 1883, onde comprou uma propriedade abandonada e nela começou a construir um vasto jardim, com lagos e pontes em estilo japonês, que, posteriormente, serviu de inspiração para muitos dos seus mais conhecidos trabalhos. Um deles, denominado "Les Nymphéas" (em português, Os Lírios de Água), está em exposição no Museu Orangerie (Musée L'Orangerie), em Paris. Monet faleceu em 1926, aos 86 anos, por conta de um câncer de pulmão. Seu corpo foi sepultado no cemitério de Giverny.

Fachada da casa do pintor impressionista francês Claude Monet, em Giverny.


A casa possui dois andares e existe um fluxo que os visitantes devem seguir para não comprometer o bom andamento da visitação. Passamos por vários cômodos, todos ainda decorados e com vários quadros do artista expostos na parede. Passamos também por seu estúdio de trabalho, onde vimos muitas pinturas de Monet, inclusive das Falésias de Étretat, as quais visitamos no dia anterior (veja a postagem sobre a nossa visita a Étretat). Muito bacana!

Visitando o interior da casa de Claude Monet, em Giverny.


Como a casa é pequena, acabamos fazendo a visitação em 15 minutos. Claro que é possível ficar mais tempo em seu interior para apreciar as obras de arte de Monet. Porém, nosso maior interesse estava em visitar os famosos jardins.

Em frente à casa de Monet estão belíssimos jardins.

Bela casa de Monet ao fundo.


Seguimos primeiramente para o "Jardin d'Eau" (em português, Jardim da Água), o mais famoso por conta das diversas pinturas de Monet reproduzindo tal jardim, sua grande fonte de inspiração. Para chegar ao jardim é necessário cruzar uma passagem subterrânea a Rue Chemin du Roy.

O Jardin d'Eau possui inspiração claramente japonesa, com pontes e plantas características. Em 1897, Monet começou a pintar a coleção denominada "Les Nymphéas" (em português, Os Lírios de Água), com inspiração neste jardim, que por sinal é uma obra prima de tão belo!

O reflexo das árvores e do céu nos lagos do jardim cria um efeito belíssimo, tornando a atmosfera do local incrível! Algo que Monet reproduzia com perfeição em suas pinturas.

Passeando pelo Jardin d'Eau, fonte de inspiração de Claude Monet.

Tudo muito lindo e bem cuidado no Jardin d'Eau.

Belo reflexo na água das árvores e do céu. Monet reproduzia com perfeição tal efeito em suas obras.

O Jardin d'Eau possui inspiração claramente japonesa, com pontes e plantas características.


Depois de visitar o Jardin d'Eau, voltamos pela passagem subterrânea e fomos passear pelos jardins em frente da casa de Monet, que também são belíssimos, possuindo vários tipos de árvores e flores, tudo muito colorido.

Passeando pelos jardins coloridos em frente à casa de Monet.

Jardins de Monet, um lugar incrível para se visitar em Giverny.

Muitas flores lindas e coloridas espalhadas pelos jardins de Monet.


Passeamos pela Casa e Jardins de Monet por quase 1 hora, uma visita rápida porém suficiente na nossa opinião. Daqui, fomos procurar um restaurante onde almoçar, antes de seguir viagem, e escolhemos o "Le Petit Giverny" (em português, A Pequena Giverny), na Rue Chemin du Roy, que além de funcionar como uma pousada, também possui um restaurante. Tivemos que esperar um pouco para entrar pois o restaurante só abria às 12:30.

Fachada do restaurante Le Petit Giverny, onde almoçamos.


Assim que entramos, um casal, que deduzimos serem os donos do local, nos atendeu de forma muito simpática, sempre rindo e contando histórias, principalmente depois que falamos que éramos brasileiros! Inclusive, há um cardápio em português! Olha que bacana!

Pedi um espetinho (chamado de Kebab no cardápio em português) de frango marinado com ervas e o marido pediu um de carne bovina no tomilho e louro perfumado, ambos preparados no forno à lenha e acompanhados de batata cozida na brasa e salada.

A comida estava simples porém deliciosa! Finalmente comemos bem depois de alguns dias comendo mal. Quem manda não gostarmos dos principais pratos típicos franceses!

Papel sobre a mesa apresentando a Normandia e suas principais atrações.

Espetinho de carne bovina no tomilho e louro perfumado.

Espetinho de frango marinado com ervas. Comida simples, porém deliciosa!


A conta totalizou em $40,20 euros, conforme detalhamento abaixo:

- Espetinho de frango: 14,80
- Espetinho de carne: 18,20
- Suco de laranja: 2 x 3,60 = 7,20
TOTAL: $40,20

Como o serviço não estava incluído, resolvemos deixar uma gorjeta de $4,80 euros, totalizando em um gasto de $45,00 euros.

Depois desse ótimo almoço, resolvemos deixar Giverny às 13:15 e seguir nosso rumo a Paris, pois marcamos de entregar o carro alugado às 15:00 na Europcar da estação Gare du Nord.

Ainda sobre Giverny, recomendo a leitura das postagens dos blogs Meus Planos de Viagem, do Arnóbio Tocantins, e Viajar pelo Mundo!, da Claudia Liechavicius. Inclusive, o roteiro na nossa viagem foi muito inspirado no roteiro que o Arnóbio fez.

A seguir, o mapa com os pontos por onde passamos em Giverny.




Paris fica à sudeste de Giverny, na região denominada Île-de-France, a uma distância aproximada de 79km, totalizando em 1:15h de viagem sem trânsito, conforme o Google Maps. Essa história de sem trânsito em Paris que deve ser difícil! Mas vamos lá! Um dos trajetos é feito pelas rodovias pedagiadas A13 e A14. Conforme o site autoroutes.fr, o valor do pedágio para este trajeto totaliza em $10,90 euros (dois pedágios de $2,70 + $8,20).

Depois de 20 minutos dirigindo pela rodovia A13, nos deparamos com as primeiras cabines de pedágio. Depois de mais 20 minutos, agora na rodovia A14, tivemos que pagar o segundo pedágio. Em ambos os casos não houve retirada de ticket e fizemos os pagamentos diretamente aos atendentes das cabines. Tal como previsto pelo site autoroutes.fr, o valor dos pedágios totalizou em $10,90 euros.

Chegando ao primeiro pedágio de Giverny a Paris, perto de Buchelay, na rodovia A13.

Rumo a Paris agora pela rodovia A14. Por enquanto trânsito tranquilo!

Pertinho de entrar em Paris por La Défense. Sem carros!

Já é possível ver o Arco de La Défense à esquerda.


Quando estávamos nos aproximando de Paris, depois de um pouco mais de 1h de viagem, começamos a pegar vários túneis. Infelizmente, faltando apenas 14km para chegar à estação Gare du Nord, o túnel que pegamos na rodovia N13 estava totalmente engarrafado, com um fluxo super lento. Começou a rolar uma mega preocupação com relação ao combustível, pois não estava nos nossos planos fazer um novo abastecimento. Ainda bem que nosso carro era super econômico e o nível do tanque ainda estava marcando cheio!

Engarrafamento no túnel chegando a Paris... Estava bom demais para ser verdade!


Como muitos carros e motos de polícia estavam passando, começamos a imaginar mil coisas ruins sobre o motivo daquele mega engarrafamento. Contudo, quando finalmente saímos do túnel, depois de aproximadamente 1:30h engarrafados dentro dele, descobrimos o real motivo... outro túnel à frente estava interditado e o desvio estava sendo feito por uma rua paralela bem estreita, na Avenida Charles de Gaulle.

Neste momento, à luz do dia novamente, pudemos ver lá ao fundo o belíssimo Arco do Triunfo (Arc de Triomphe). Confesso que rolou uma certa emoção! Porém, logo entramos em outro túnel rumo a Boulevard Périphérique que nos levaria até a Gare du Nord. A Boulevard Périphérique é uma via em forma de anel que dá a volta por Paris.

Depois de enfrentar um engarrafamento no túnel, avistamos o Arco do Triunfo!


Enquanto estávamos dirigindo pela Boulevard Périphérique, o trânsito estava fluindo bem. Porém, nossos problemas com o trânsito de Paris ainda não haviam acabado! Quando entramos na rua de acesso a Gare du Nord, faltando apenas 1km para chegar à estação, nos deparamos com aquele centro de cidade onde as ruas são estreitas, os quarteirões são curtos e com semáforos em cada esquina para o cruzamento de carros que vinham de ruas transversais. Gente, que loucura! Terra de ninguém! Nem no centro de Manaus enfrentei trânsito tão caótico. Motoristas fechando o cruzamento o tempo todo... Chegou um momento que aconselhei o marido a fazer a mesma coisa, caso contrário ficava inviável cruzar tantos semáforos.

Nesta região vimos muito lixo espalhado pelas ruas. Confesso que foi uma visão de Paris bem decepcionante. Não foi uma boa recepção... Infelizmente, grandes capitais do chamado Primeiro Mundo também sofrem com alguns dos problemas enfrentados por outros países subdesenvolvidos ou em desenvolvimento. Uma pena ver tamanha falta de educação...

Muito lixo nas ruas perto da estação Gare du Nord, em Paris.


Acredite ou não, levamos 40 minutos para percorrer 1km até a entrada da estação Gare du Nord! Chegamos às 16:45... e o que era para ter sido uma viagem de um pouco mais de 1 hora, virou 3:30h! Fica aqui o relato da nossa cansativa experiência (principalmente para o marido que estava dirigindo)... Muito também pela falta de sorte de nos deparar com um túnel interditado!

A entrada para entregar o carro alugado no sub-solo da Gare du Nord é feita pela Rue de Compiègne. Descemos até o nível -6 bleu (azul em francês), onde fica o estacionamento da locadora Europcar. Estacionamos o carro na primeira vaga disponível, anotamos o número correspondente, pegamos nossas malas e subimos até o nível -1, onde ficam os guichês da locadora.

Entregamos a chave do carro ao atendente, que apenas nos perguntou o número da vaga onde deixamos o carro, se o tanque estava cheio e se houve alguma batida. Fiquei preocupada se haveria cobrança adicional pois entregamos o carro às 17:00 ao invés de 15:00, como havia agendado durante a reserva. Porém, foi tudo muito rápido e informal, e não veio nenhuma cobrança adicional no cartão de crédito. Ufa!

Abaixo, o mapa com o trajeto percorrido de Giverny a Paris, incluindo as indicações dos pontos de pedágio pelo caminho.




Ahhhh Gare du Nord! Nossa terceira vez nesta estação durante a viagem! Já estamos nos acostumando com sua muvuca! Para saber um pouco sobre as minhas considerações a respeito desta estação, veja a postagem 1º dia: Chegada a Londres (via Paris), e mais um pouquinho em 8º dia: Saída Londres / Chegada Vale do Loire (via Paris).

Saímos da Europcar, que fica no nível -1, bem próxima da área de embarque para os trens da Eurostar, e demos uma passadinha no banheiro, que custa o valor simbólico de $0,70 euro por pessoa. Depois, fomos comprar nossos bilhetes do metrô de Paris.

Durante o planejamento desta viagem, fiz muitas pesquisas para saber que tipo de bilhete comprar. Existem vários tipos disponíveis, por isso, recomendo a leitura das postagens sobre o assunto no Conexão Paris e Viaje na Viagem. Sempre vale a pena consultar também o site oficial da RATP (empresa de transportes públicos de Paris).

Dica: O site da RATP possui uma opção para planejar os trajetos de metrô, bastando informar a origem e o destino que o resultado mostra qual linha pegar, tempo de viagem, quantas estações terão pelo meio do caminho e se é necessário fazer baldeação. Simplesmente planejei todos os trajetos de metrô que provavelmente vamos fazer nesta viagem. A louca do planejamento!

No fim das contas, baseado na estimativa que fiz de utilização do metrô em Paris, e com as dicas dos sites citados acima, resolvi que a melhor opção seria comprar 3 carnês com 10 bilhetes de metrô do tipo "ticket t+", que na verdade são 10 bilhetes comuns avulsos comprados em forma de carnê a $14,10 euros cada. Para comparação, um bilhete avulso de mesmo tipo custa $1,80 euro. Sendo assim, comprando na forma de carnê, cada bilhete sai a $1,40 euro. Com este bilhete é possível circular dentro de Paris sem problemas, mesmo utilizando o metrô do tipo RER, contanto que seja dentro de Paris (dans Paris).

Observação: As linhas de metrô do tipo RER (Réseau Express Régional - Rede Expressa Regional) conectam o centro de Paris a áreas mais distantes. Existem 5 linhas (A-E) e as tarifas são mais caras do que as tarifas das linhas que circulam dentro de Paris.

Planejei visitar também a Disneyland e o Castelo de Versailles, que são acessíveis pelo metrô RER, fora de Paris. Porém, compraremos os bilhetes necessários em outra oportunidade. Por ora, compramos 3 carnês com 10 bilhetes de metrô, totalizando em $42,30 euros.

Este é o bilhete de metrô do tipo "ticket t+" comprado na forma de carnê com 10 unidades.


Daqui, seguiremos de metrô até o Hôtel de la Paix, no bairro Montparnasse, onde ficaremos hospedados até o fim desta viagem, ou seja, pelos próximos 8 dias. O hotel não possui café da manhã incluído na diária.

Para chegar até o hotel, pegaremos a linha 4 na estação Gare du Nord, sentido Mairie de Montrouge, e desceremos na estação Raspail, totalizando em 16 paradas, aproximadamente uns 20 minutos de viagem, conforme itinerário montado pelo site da RATP. Então vamos lá!

Pense em um metrô lotado saindo da Gare du Nord! Fomos em pé por toda a viagem, que nem sardinha em lata com nossas malas! Essas últimas horas não têm sido nada fáceis!

Enfim chegamos à estação final, desembarcando na Boulevard Raspail, onde está localizado o nosso hotel a poucos metros.

Dica: O aplicativo para smartphone do TripAdvisor possui a opção de baixar mapas das principais cidades do mundo para utilizá-los off-line, ou seja, sem internet, apenas com o sistema de localização (GPS) do celular. Então, antes da viagem, baixei os mapas das cidades de Londres e Paris. Por isso, quando saímos da estação, fomos nos guiando com este mapa para chegar até o hotel.

Chegamos finalmente ao hotel perto das 18:00. Fizemos o check-in e seguimos para o nosso quarto. O hotel possui um elevador tão pequenino que só cabe uma pessoa com uma mala! Mas pelo menos tem elevador, né?!

A foto está desfocada mas dá para perceber o tamanho do elevador do hotel em Paris! Só eu e minha malinha!


Assim como o elevador, o quarto também é pequenino, porém charmosinho! Inclusive, achei o banheiro melhor do que o banheiro do hotel onde nos hospedamos em Londres (veja a postagem sobre a nossa chegada em Londres).

Nosso pequenino quarto no Hôtel de la Paix, em Paris.

Banheiro pequenino, mas estiloso!


Descansamos um pouco e, às 18:30, voltamos a sair para procurar o que comer. Na Boulevard du Montparnasse há várias opções de restaurantes e lanchonetes. Sem falar que esta área onde ficamos é muito bonita. Começamos até a esquecer tanto lixo nas ruas que vimos mais cedo quando chegamos a Paris!

Igreja Notre Dame des Champs, na Boulevard du Montparnasse.


Acabamos nos interessando por um estabelecimento chamado EXKi, uma rede de fast food saudável, com muitas opções "self service". Como estava frio, no rendemos à uma sopa bem quentinha. Acabamos nos empolgando e pegando várias outras coisas, como torta salgada, docinho, smoothie (nossas vitaminas de frutas), etc! Gostamos bastante do local, que tem internet Wi-Fi gratuita!

Jantando no EXKi, rede de fast food saudável no bairro Montparnasse, em Paris. Recomendo!


Nossa conta totalizou em $24,80 euros, conforme descrição abaixo:

- Sopa: 2 x 4,20 = 8,40
- Torta: 2 x 5,45 = 10,90
- Pastel de nata: 2,20
- Smoothie de manga: 3,30
TOTAL: $24,80

Na volta, ainda na Boulevard du Montparnasse, passamos em uma pequena loja da Fanprix, rede de supermercado francês, para comprar água e alguns lanchinhos, totalizando em $2,85 euros. Pena que no quarto do hotel não há frigobar.

A seguir, o mapa com os indicativos de metrô e o trajeto percorrido a pé por Montparnasse:




Voltamos ao hotel por volta das 20:00 e fomos logo nos preparar para dormir. Amanhã começamos bem cedo o nosso primeiro dia de passeio por Paris!

GASTOS DIÁRIOS (em Euros, para o casal):

ESTIMATIVA DE GASTOS GASTOS EFETIVOS ECONOMIA
Alimentação: 100,00 Alimentação: 95,25 4,75
Taxas Hotel Ibis Rouen: 1,32 Taxas Hotel Ibis Rouen: 1,30 0,02
Estacionamento Ibis Rouen: 8,00 Estacionamento Ibis Rouen: 8,00 0,00
Pedágio Rouen-Giverny: 3,50 Pedágio Rouen-Giverny: 3,50 0,00
La Fondation Monet: 9,50x2=19,00 La Fondation Monet: 19,00 0,00
Banheiro Giverny: 2,00 -2,00
Pedágio Giverny-Paris: 10,90 Pedágio Giverny-Paris: 10,90 0,00
Banheiro Gare du Nord: 0,70x2=1,40 -1,40
Bilhetes de Metrô: 42,30 Bilhetes de Metrô: 42,30 0,00
185,02 183,65 1,37
SALDO ANTERIOR PARA ABASTECIMENTO GASTOS EFETIVOS ECONOMIA
75,00 30,01 44,99
75,00 30,01 44,99
Saldo Anterior: 1.295,15 / Saldo Atual: 1.081,49 / Economia Geral: 166,05

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...