06 agosto 2016

[Viagens Curtas] Lençóis Maranhenses 2016

Sabe aquele destino que nunca esteve na sua lista de desejos mas que do nada acabou entrando e virando uma fixação? Pois é... foi assim para mim com relação aos Lençóis Maranhenses! Tudo começou em meados de 2015 quando comecei a acompanhar outros blogueiros de viagem no Instagram. Ficava vendo todas aquelas fotos sensacionais, e isso foi despertando em mim uma grande vontade de conhecer o local. Confesso que este não é muito o meu perfil de viagem... natureza e aventura! Contudo, é sempre bom experimentar algo novo, algo que saia da nossa zona de conforto. E assim comecei a pesquisar melhor sobre o destino e principalmente sobre a melhor época para visitar.

O Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses está localizado no litoral do Estado do Maranhão, mais especificamente à leste da capital São Luís. Sua área é de 155 mil hectares, sendo que grande parte é constituída por dunas livres e lagoas interdunares que se formam no período chuvoso da região. O parque abrange três municípios maranhenses: Barreirinhas, Santo Amaro e Primeira Cruz.

Depois de muito pesquisar e planejar, optei pela hospedagem no município de Barreirinhas e a viagem aconteceu no início do mês de junho de 2016.

Desta vez, quem me acompanhou nesta aventura foi minha mãe, depois de quase 10 anos que não viajávamos juntas! Confesso que fiquei um pouco preocupada em levá-la pois li vários relatos não indicando o passeio para crianças e idosos. Mas no final, ela aguentou melhor do que eu!

Acompanhe a seguir todos os detalhes desta viagem que, com certeza, foi uma experiência única na minha vida!

CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Quando visitar:

Conforme o ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), responsável pela conservação de Parques Nacionais, o melhor período para visitar o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses vai de maio a setembro, quando as lagoas estão formadas em meio às dunas, após o período chuvoso da região, que costuma ocorrer durante os meses de fevereiro a maio.

Por conta disso, é justamente logo após a estação chuvosa que os Lençóis Maranhenses apresentam o seu mais belo cenário, quando as lagoas estão cheias. Conforme o período da seca avança, as lagoas vão secando pouco a pouco, chegando em novembro com o nível bem baixo.

Contudo, como o nosso clima está cada vez mais instável, nos últimos anos as chuvas na região não têm sido suficientes para encher as lagoas em seus níveis mais altos. Sendo assim, é importante buscar informações e acompanhar o período chuvoso, juntamente com o nível das lagoas.

Dica: O site Parque Lençóis informa o volume de água das principais lagoas, com atualizações frequentes. Vale à pena acompanhar.

Com todas essas informações, escolhi o início do mês de junho de 2016 para visitar o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, mais especificamente no período de 04/06/2016 a 10/06/2016.

Onde se hospedar:

O Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses abrange três municípios: Barreirinhas, Santo Amaro e Primeira Cruz.

Depois de muito pesquisar, descobri que Barreirinhas é a principal cidade utilizada como base para visitar o parque. Isto por conta da sua melhor infraestrutura, com disponibilidade de várias pousadas e hotéis, incluindo dois grandes resorts, além de agências de turismo credenciadas para fazer os passeios dentro dos Lençóis Maranhenses. Sem falar no melhor acesso rodoviário para quem chega da capital São Luís.

Santo Amaro também é muito procurada pelos visitantes que querem conhecer a parte menos explorada do parque. Contudo, parece que a cidade não possui tanta infraestrutura, oferecendo ao visitante uma experiência mais rústica e de maior imersão ao povoado local.

Sendo assim, acabei optando pela hospedagem no município de Barreirinhas, justamente por conta da sua infraestrutura e melhor acesso para os passeios que escolhi fazer. Além disso, como estava viajando com minha mãe, achei que ela merecia a estadia mais confortável possível, por isso, reservei nossa hospedagem no Porto Preguiças Resort, utilizando o Hoteis.com.

Mapa da Região:

Mapa da região dos Lençóis Maranhenses (Fonte: empresa São Paulo Ecoturismo).


Observação: Interessante ressaltar que os Lençóis Maranhenses fazem parte do passeio denominado "Rota das Emoções", que inclui ainda Delta do Parnaíba (Piauí) e Jericoacoara (Ceará).


PASSEIOS (E TRASLADOS)

Todos os passeios relatados a seguir foram contratados diretamente com a empresa São Paulo Ecoturismo, agência localizada no município de Barreirinhas (onde ficamos hospedadas), incluindo os traslados do Aeroporto de São Luís a Barreirinhas e o inverso. Decidi por esta empresa depois de pesquisar em vários blogs de viagem e ler ótimas avaliações e recomendações.

Primeiramente, entrei em contato com a empresa por e-mail para solicitar informações sobre os passeios e os traslados disponíveis para 2016. Prontamente, recebi um arquivo em PDF com todas as informações necessárias para planejar a viagem. Depois de decidir sobre o traslado e os passeios a fazer, passei todos os dados à empresa e logo recebi o orçamento. É necessário fazer um depósito de 50% do valor total para a emissão do voucher. Fiz uma transferência bancária, enviei o comprovante por e-mail e pronto! Voucher nas mãos! Ah, devo dizer que a própria empresa organizou a ordem dos passeios nos dias que informei, e não tive qualquer objeção a respeito.

Contratei cinco passeios, sendo um por dia, nesta ordem: Lagoa Azul (de tarde); Lagoa Bonita (de tarde); Vassouras, Madacaru e Caburé (passeio náutico - dia inteiro); Atins e Cantos do Atins (dia inteiro) e Cardosa (flutuação no Rio Formigas - de manhã).

Informações sobre o serviço de traslado estão disponíveis no site da São Paulo Ecoturismo. Além disso, sugiro também a leitura das orientações e outras informações importantes que me foram repassadas pela empresa sobre a visitação ao Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses.

A seguir, o relato de cada dia desta viagem, incluindo informações sobre os passeios contratados como descrição, valor pago, duração, etc. Além de relatar sobre os traslados efetuados.

1° Dia (04/06/16): Chegada a Barreirinhas

Chegamos ao Aeroporto de São Luís às 12:30 e o motorista da agência já estava nos aguardando. Por conta do horário da nossa chegada, não foi possível contratar o traslado regular (coletivo), pois o mesmo costuma sair por volta das 7:00 rumo a Barreirinhas. Sendo assim, resolvemos contratar um traslado privativo a R$ 350,00.

O motorista nos levou até o carro, um Celta Sedan... Confesso que pelo preço que pagamos, esperava um carro melhor e mais confortável! Contudo, não dava nem para reclamar, pois no descritivo do traslado que recebi existe a especificação dos possíveis carros a serem utilizados e este era um deles.

Antes de pegar a estrada, o motorista fez uma parada para abastecer o carro e aproveitamos para fazer um lanche rápido na loja de conveniências. Às 13:00 pegamos a estrada rumo a Barreirinhas, que fica a 268km de São Luís, aproximadamente 3:30h de carro. O percurso é feito em grande parte pela rodovia MA-402, com trechos bons e outros nem tanto.

Às 14:30 paramos em um estabelecimento no município de Morros para fazer um lanche, esticar as pernas e usar o banheiro. Às 15:00 voltamos novamente à estrada. Chegamos ao centro de Barreirinhas às 16:30. Como o hotel onde ficamos hospedadas é afastado do centro da cidade, levamos mais uns 10 minutos em estrada de barro e toda esburacada para chegar finalmente ao hotel. Depois de tantas horas de viagem, já estávamos exaustas e enjoadas dos solavancos do percurso... se demorasse mais um minuto para chegar ao hotel, provavelmente teríamos vomitado dentro do carro!

Fizemos o check-in na recepção do hotel e fomos direto para o quarto (n° 2) para descansar um pouco.

Ao final desta postagem, falarei em detalhes sobre nossa experiência no Porto Preguiças Resort.

2° Dia (05/06/16): Circuito da Lagoa Azul (de tarde)

Descrição: Transporte feito em veículo 4x4 em direção ao Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses. Para acessar o início da trilha que leva ao parque, é necessário atravessar o Rio Preguiças por uma balsa. Chegando ao parque, o veículo estaciona próximo ao início do Circuito da Lagoa Azul e então começa a caminhada pelas dunas e lagoas, acompanhada de um guia. O passeio da tarde é finalizado com a visão do pôr do sol sobre as dunas.

Valor: R$ 70,00 por pessoa.

Horário: 14:00 às 18:30 (duração de 4:30h). Também existe passeio pela parte da manhã.

Tempo de Trilha: Aproximadamente 40 minutos sobre o veículo 4x4 (cada trecho de ida e volta).

Lagoas Visitadas: Toyoteiro, Paz, Esmeralda, Azul e Preguiça.

Relato do Dia:

Conforme horário estipulado no voucher, nosso guia João nos buscou na recepção do hotel pontualmente às 13:30. Foi quando conhecemos pessoalmente a "jardineira", apelido dado ao veículo 4x4, de marca Toyota, possuindo uma caçamba adaptada com assentos e uma cobertura para proteger do sol. Como éramos as primeiras, pudemos escolher nossos lugares. Fomos logo na primeira fileira, pois dizem ser o local que sacode menos!

Depois de buscar todos os passageiros (éramos 10 pessoas), o motorista fez uma rápida parada em um mercado para quem quisesse comprar água e lanchinhos, uma vez que no interior do parque não há qualquer infraestrutura.

Daqui, seguimos para um pequeno porto, ainda em Barreirinhas, onde fizemos uma curta travessia do Rio Preguiças em uma balsa. Esta travessia é necessária para poder iniciar a trilha até os Lençóis Maranhenses.

Conheça a "jardineira", apelido dado ao veículo 4x4 adaptado com assentos e uma cobertura para proteger do sol.

Balsa para fazer a travessia do Rio Preguiças e assim começar a trilha.

Curta travessia pelo Rio Preguiças.


Após a travessia na balsa, todos nós subimos novamente na jardineira, colocamos os cintos de segurança e foi dado início a um verdadeiro rali, com muito sacolejo e solavancos. No início até estávamos achando engraçado! Mas depois de 40 minutos batendo a bunda no assento, já começa a perder a graça! Sem falar nas galhadas que levei no braço por ter sentado na ponta...

Abaixo, um pequeno vídeo de parte do rali.




Por volta das 15:00, chegamos ao local onde os veículos podem estacionar o mais próximo do início do Circuito da Lagoa Azul (localizado no denominado "Grandes Lençóis") e começamos a caminhada sobre as dunas para visitar as lagoas, sempre acompanhados do nosso guia João. Ele inclusive nos aconselhou a deixar os calçados na jardineira, pois era mais fácil caminhar descalço sobre as dunas.

Nosso guia João dando início ao passeio do Circuito da Lagoa Azul.

Primeira lagoa que encontramos no caminho.


Paramos nas seguintes lagoas para tomar banho: Toyoteiro, Paz, Esmeralda, Azul e Preguiça. Na verdade, passamos pela Lagoa da Preguiça logo no início do passeio, porém, ela é deixada por último para o banho. Além disso, apesar de constar no roteiro a possibilidade de conhecer a Lagoa do Peixe (única perene o ano todo), nosso grupo optou por não conhecê-la por ficar mais distante.

O contraste da areia bem branca com o tom esverdeado das lagoas cria um visual inacreditável! Todo o esforço da caminhada cheia de altos e baixos, com muito sol na cabeça e os fortes ventos com areia, é recompensado!

Por falar em sol na cabeça... Minha mãe e eu resolvemos fazer o passeio de chapéu... Devo dizer que foi uma péssima ideia, pois as rajadas de vento eram tão fortes que tínhamos que ficar segurando o chapéu na cabeça o tempo todo para ele não voar! E para piorar, nossos chapéus não eram daquele com cordinha que prende no pescoço! Então, se você não tiver um chapéu que fique grampeado na sua cabeça, nem adianta levar outro tipo!

E por falar em rajada de vento... durante todo o passeio, o vento estava muito forte. Por conta disso, a areia consegue invadir todos os orifícios possíveis e imagináveis do seu corpo! Leve óculos para proteger pelo menos os seus olhos. Confesso que tanto vento e areia me deixaram um pouco irritada! Sem falar que ao final do passeio saí no prejuízo... pois entrou areia pela lente da minha máquina fotográfica, o que danificou seu perfeito funcionamento.

Atenção: Se levar máquina fotográfica, fique ciente que as fortes rajadas de vento e areia podem danificá-la. Então tome bastante cuidado para protegê-la e não sair no prejuízo como eu!

A seguir, as fotos do passeio e das lagoas visitadas para banho. Espero ter acertado o nome de cada uma!

Chegando à Lagoa dos Toyoteiros. Olha a cor dessa água!

Lagoa da Paz.

Lagoa da Esmeralda.

Lagoa Azul, que dá nome ao circuito.

Lagoa da Preguiça, última parada para banho. O pôr do sol será visto do alto da duna ao fundo.


Fizemos nossa última parada para banho na Lagoa da Preguiça. E, às 17:00, subimos para o topo da duna, de onde o passeio começou, para aguardar o tão esperado pôr do sol, que aconteceu por volta das 17:30.

Lagoa da Preguiça vista do alto da duna já com as cores do pôr do sol.

Um pulinho básico! Ideia do nosso guia João.

Pôr do sol espetacular!


Pegamos a jardineira às 17:45 e enfrentamos todo o caminho de volta até Barreirinhas. Quando chegamos às margens do Rio Preguiças para fazer a travessia de balsa, o guia nos deu um tempinho para aproveitar as barracas que vendem artesanato e tapiocas. É claro que fomos experimentar uma tapioca, porém, achei a tapioca bem inflacionada para o tamanho... chegando a custar R$ 5,00 cada.

Observação: Antes de deixar todos os passageiros em seus respectivos hotéis, o motorista fez uma parada na agência, para quem precisasse fazer pagamentos ou outros acertos. Foi o nosso caso, pois precisávamos pagar os 50% restantes do valor do pacote. A metade inicial foi paga por meio de transferência bancária antes da viagem.

Enfim chegamos ao nosso hotel! Não sei se é prática comum, mas resolvemos deixar uma boa gorjeta ao nosso guia por toda a sua atenção e cuidado com minha mãe.

Infelizmente, ao final deste passeio, comecei a sentir fortes dores na coluna. Tive que recorrer a anti-inflamatório, analgésico e relaxante muscular para amenizar a dor... E hoje foi apenas o primeiro passeio!

Atenção: Se você tem problemas de coluna ou mobilidade, reflita bastante antes de tomar a decisão de visitar os Lençóis Maranhenses e enfrentar todo o baque que sua coluna vai sofrer durante as trilhas feitas na jardineira e o sobe e desce nas dunas.

3° Dia (06/06/16): Circuito da Lagoa Bonita (de tarde)

Descrição: Transporte feito em veículo 4x4 em direção ao Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses. Para acessar o início da trilha que leva ao parque, é necessário atravessar o Rio Preguiças por uma balsa. Chegando ao parque, o veículo estaciona próximo ao início do Circuito da Lagoa Bonita e então o passeio começa com o desafio de subir uma duna bem íngreme (existe uma corda para ajudar). Passado esse primeiro obstáculo, o esforço físico exigido diminui bastante. No topo, tem-se uma vista panorâmica de dunas e lagoas, grande diferencial deste passeio. O passeio da tarde é finalizado com a visão do pôr do sol sobre as dunas.

Valor: R$ 80,00 por pessoa.

Horário: 14:00 às 19:00 (duração de 5h). Também existe passeio pela parte da manhã.

Tempo de Trilha: Aproximadamente 40 minutos sobre o veículo 4x4 (cada trecho de ida e volta).

Lagoas Visitadas: Maçarico, Clone e Bonita.

Relato do Dia:

Por conta do cansaço do dia anterior e sabendo que no passeio de hoje seria necessário subir uma duna bem íngreme, minha mãe resolveu ficar no hotel e fui fazer o passeio sozinha.

Pontualmente, às 13:30, o guia Jeilson passou no hotel e em seguida fomos buscar os demais passageiros (éramos 7 pessoas). Tal como no dia anterior, o motorista da jardineira fez uma parada rápida em um mercado para quem quisesse comprar água e lanchinhos.

Daqui, seguimos para um pequeno porto (diferente do dia anterior), ainda em Barreirinhas, onde fizemos uma curta travessia do Rio Preguiças em uma balsa. Esta travessia é necessária para poder iniciar a trilha até os Lençóis Maranhenses.

Jardineira entrando na balsa para cruzar o Rio Preguiças e assim começar a trilha.


Após a rápida travessia na balsa, subimos novamente na jardineira, colocamos os cintos de segurança e começamos o rali em uma trilha diferente do dia anterior, mas como sempre cheia de sacolejo e solavancos. Ai minha coluna!

Pensa que só as jardineiras transitam pelas trilhas?!


Por volta das 15:00, chegamos ao local onde os veículos ficam estacionados para dar início ao Circuito da Lagoa Bonita (localizado no denominado "Grandes Lençóis"). De cara, temos que enfrentar o desafio de subir uma duna bem íngreme. Apesar de ter uma corda para ajudar a subir, achei que pouco ajudou! Na verdade, pensei que fosse ter um treco antes de chegar no topo da duna! Ainda bem que minha mãe ficou descansando no hotel! Quando a corda acabou, ainda havia alguns metros restantes de subida, e foi quando o nosso guia Jeilson teve que vir me ajudar!

Dica: Os guias sempre aconselham deixar os calçados na jardineira, pois fica mais fácil caminhar descalço sobre as dunas.

Por trás dessa vegetação está uma subida bem íngreme para alcançar o topo da duna.

Sobrevivi à subida íngreme ao topo da duna!


Após a subida bem íngreme (e depois de se recuperar da sensação de morte!), somos recompensados com uma vista panorâmica de dunas e lagoas. O contraste da areia bem branca com o tom esverdeado das lagoas cria um visual incrível! Sem dúvida, o ponto alto (literalmente também) do passeio!

Eu e todo mundo querendo registrar essa vista incrível!


Daqui, seguimos para a Lagoa do Maçarico, onde tivemos quase uma hora para aproveitar o banho. Para mim, foi uma das lagoas mais bonitas e agradáveis que conheci.

Em seguida, paramos ainda na Lagoa do Clone (recebeu este nome por conta de cenas iniciais da novela que foram gravadas aqui) e, por último, na Lagoa Bonita, que, honestamente, não estava merecendo este título após visitarmos as duas belíssimas lagoas anteriores!

A seguir, as fotos do passeio e das lagoas visitadas para banho. Espero novamente ter acertado o nome de cada uma!

Rumo à Lagoa do Maçarico, nossa primeira parada para banho.

A belíssima Lagoa do Maçarico.

Lagoa do Clone. Que visual incrível!

Lagoa do Clone.

Lagoa Bonita, que dá nome ao circuito.


Depois de visitar a Lagoa Bonita, retornamos ao ponto de origem, por volta das 17:00, para apreciar o pôr do sol, que aconteceu por volta das 17:30.

Conversando com o nosso guia Jeilson, ele me explicou que as chuvas neste ano de 2016 (o período chuvoso costuma ocorrer nos meses de fevereiro a maio) não foram suficientes para encher as lagoas em seu maior nível. Por conta disso, como as chuvas já haviam cessado, estávamos visitando os Lençóis Maranhenses em seu melhor momento deste ano, ou seja, início de junho, pois as lagoas já iriam começar a secar daqui para frente. Que sorte!

Por isso, repito a dica abaixo...

Dica: O site Parque Lençóis informa o volume de água das principais lagoas, com atualizações frequentes. Vale à pena acompanhar para escolher a melhor época para visitar o local.

Nosso simpático guia Jeilson.

Lençóis Maranhenses, um espetáculo da natureza!

Apreciando o pôr do sol no Circuito da Lagoa Bonita.


Após o pôr do sol, descemos do topo das dunas até o estacionamento dos veículos. Neste mesmo local, há várias barracas vendendo tapiocas, também no valor inflacionado de R$ 5,00! Mas como adoro tapioca, é claro que comprei uma!

Daqui, subimos na jardineira e fizemos o caminho de volta a Barreirinhas. Abaixo, um vídeo de parte do rali noturno que enfrentamos!




Apesar do desafio inicial de subir uma duna bem íngreme, o restante do passeio foi bem tranquilo, sem exigir grande esforço físico. Até o vento cooperou e estava fraquinho, no nível agradável, e não no nível irritante do dia anterior! Contudo, para não arriscar, neste passeio fui sem chapéu! Visualmente falando, também achei este passeio mais bonito do que o Circuito da Lagoa Azul. Uma pena minha mãe não ter tido essa experiência.

4° Dia (07/06/16): Passeio Náutico - Vassouras, Mandacaru e Caburé (dia inteiro)

Descrição: Traslado até o porto para o embarque em lancha rápida. O passeio náutico pelo Rio Preguiças tem duração aproximada de 40 minutos até chegar a Vassouras, primeira parada para conhecer os "Pequenos Lençóis". Em seguida, o passeio continua para o povoado de Mandacaru, onde é feita a segunda parada. A principal atração desta vila de pescadores é o Farol das Preguiças, com 35 metros de altura e 160 degraus, de onde é possível ter uma visão panorâmica da região. Depois, o passeio segue para a terceira e última parada na Praia do Caburé, uma península entre o rio e mar com restaurantes disponíveis para o almoço (não incluso).

Valor: R$ 80,00 por pessoa.

Horário: 08:30 às 16:00 (duração de 7:30h).

Relato do Dia:

Às 8:15, o guia de ontem, Jeilson, nos buscou no hotel para levar até a agência São Paulo Ecoturismo, que possui seu próprio píer, de onde sai a lancha rápida, apelidada de "voadeira".

Cada pessoa recebeu um colete salva-vidas, de uso obrigatório, e depois todos embarcamos na voadeira para um passeio pelo Rio Preguiças até a primeira parada em Vassouras. Nosso piloto era o Neguinho, sempre simpático e dando informações interessantes sobre o ecossistema local (palmeiras, manguezais e igarapés).

Orla de Barreirinhas às margens do Rio Preguiças.


O percurso até Vassouras durou cerca de 40 minutos. Chegamos ao povoado às 9:40 e Neguinho nos deu uns 50 minutos para aproveitar o local, onde estão os chamados "Pequenos Lençóis". Às margens do Rio Preguiças, onde as voadeiras ficam atracadas, há um ponto de apoio com barracões rústicos cobertos de palha. É possível comprar artesanato, bebidas e fazer pequenos lanches. Aproveitamos para comprar água de coco e garrafas de água. Cuidado com os macaquinhos que ficam ao redor, pois se der confiança, eles levam suas coisas e você nem percebe!

Fomos passear pelas dunas e aqui elas possuem um tom alaranjado e havia pequenas lagoas formadas. Apesar de ter sua beleza, nem se compara com as dunas e lagoas que visitamos nos Grandes Lençóis nos dois dias anteriores.

Visita aos Pequenos Lençóis no povoado de Vassouras.

Lagoa entre as dunas dos Pequenos Lençóis. Aqui a areia possui uma cor alaranjada.


Às 10:30, embarcamos de volta na voadeira e seguimos até o povoado de Mandacaru, chegando lá às 11:00. A principal atração do local é o Farol Preguiças, com 35 metros de altura e 160 degraus, de onde se pode ter uma visão panorâmica da região. Contudo, o farol estava fechado para manutenção... Resultado: caminhamos até a entrada do farol para tirar fotos e depois paramos para tomar um sorvete de bacuri, pois o calor estava de rachar!

Chegando ao povoado de Mandacaru.

Infelizmente, o Farol Preguiças estava fechado para visitas, por conta de manutenção.


Às 11:30 embarcamos na voadeira e seguimos para Caburé, nossa última parada do dia e onde teríamos a opção de almoçar. Chegamos às 11:45 e fomos logo na única opção de restaurante, um barracão coberto de palha com as mesas de plástico sobre a praia, algo bem rústico. Pedimos um filé de pescada amarela com molho de camarão e uma jarra de suco de goiaba. Quando a comida chegou, começamos a ser atacadas por moscas... muitas moscas! Nossa, foi um sacrifício conseguir comer e ao mesmo tempo abanar a comida para as moscas não atacarem. Definitivamente, não foi uma experiência agradável. Este almoço custou R$ 110,00.

Depois do almoço, fomos conhecer a praia, uma península que fica entre o rio e o mar. Então, aproveitamos e fomos tomar um banho de mar bem gostoso!

Para quem tiver interesse, aqui é possível alugar quadriciclos para passear por toda a praia, mas não sei dizer o valor pois optamos por não fazer este passeio.

Praia de Caburé, uma península entre o rio e o mar. Aqui vemos o rio.

Lado da Praia de Caburé com acesso ao mar.


Às 14:30 deixamos Caburé e fizemos todo o percurso de volta pelo Rio Preguiças até Barreirinhas. Após desembarcar no píer da agência, uma jardineira nos levou até o hotel.

O passeio de hoje foi bem tranquilo, porém não achei tão interessante, uma vez que o passeio náutico é muito parecido com os passeios existentes pelo Rio Negro saindo de Manaus, cidade onde moro. Então, não é muita novidade fazer este tipo de passeio para mim!

5° Dia (08/06/16): Circuito Atins e Canto do Atins (dia inteiro)

Descrição: Transporte feito em veículo 4x4 em direção ao Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses. Para acessar o início da trilha que leva ao Povoado de Atins, é necessário atravessar o Rio Preguiças por uma balsa. Chegando em Atins, tem-se uma primeira parada para desfrutar um pouco da vila de pescadores, a foz do Rio Preguiças e a Praia de Atins. Em seguida, o passeio continua até o Canto do Atins, que fica localizado entre o mar e as dunas dos Lençóis Maranhenses, possuindo dois famosos restaurantes: o Restaurante da Luzia e o Restaurante do Sr Antonio. Essa fama se deve ao delicioso camarão grelhado servido por eles. Receita de família, onde o segredo é o tempero que é guardado a sete chaves. Antes do almoço, seguimos de carro até o ponto que o ICMBio permite, e desse ponto em diante começa a caminhada até a Lagoa Verde ou outras da região. Depois de um banho refrescante, o veículo retorna ao restaurante para o almoço (não incluso).

Valor: R$ 120,00 por pessoa.

Horário: 07:30 às 16:00 (duração de 8h).

Tempo de Trilha: Aproximadamente 1:30h sobre o veículo 4x4 (cada trecho de ida e volta).

Lagoas Visitadas: Tropical e Sete Mulheres.

Relato do Dia:

Hoje o guia Cleilson foi nos buscar no hotel bem cedinho, às 7:40, para conhecer outra parte dos chamados Grandes Lençóis Maranhenses, próxima ao povoado de Atins. Assim como nos primeiros dois passeios, após buscar todos os passageiros, fizemos uma parada rápida em um mercado para quem quisesse comprar água e lanchinhos.

Em seguida, fizemos a travessia do Rio Preguiças em uma balsa, tal como no primeiro dia de passeio (Circuito da Lagoa Azul). Depois, foi dado início à trilha até os Lençóis Maranhenses, com acesso pelo povoado de Atins. Contudo, desta vez o rali teve duração de quase 1:30h sobre a "confortável" jardineira!

Trilha sobre as dunas dos Lençóis Maranhenses rumo a Atins.


Um pouco antes de chegar a Atins, fizemos uma parada para conhecer e tomar banho na Lagoa Tropical. Essa parada não está informada na descrição do passeio, mas foi ótima!

Descemos da jardineira e começamos a caminhada sobre as dunas (descalços fica mais fácil). Tivemos inclusive que atravessar uma lagoa, com água até a cintura! Minha preocupação era sempre com a minha máquina fotográfica, que já estava sofrendo desde o primeiro dia de passeio!

Atravessando esta lagoa rumo à Lagoa Tropical, onde teremos mais tempo para o banho.


Enfim chegamos à enorme e bela Lagoa Tropical, onde o guia Cleilson nos deu 40 minutos para aproveitar o banho. Visual incrível!

Lagoa Tropical, que fica na parte dos Lençóis Maranhenses próxima ao povoado de Atins.

Enorme Lagoa Tropical!

Parte da Lagoa Tropical onde ficamos para tomar banho.


Por volta das 11:00, fizemos o caminho de volta até onde a jardineira estava estacionada e pegamos novamente a trilha rumo a Atins.

Passamos pelo povoado e fizemos uma rápida parada na foz do Rio Preguiças, onde ele se encontra com o mar, na praia de Atins. Ficamos uns 15 minutos no local, que possui um pequeno redário e uma barraca vendendo bebidas, onde aproveitamos para tomar uma refrescante água de côco.

Passando pelo Povoado de Atins.

Rápida parada na foz do Rio Preguiças, na Praia de Atins.


Às 12:00, retornamos à trilha, agora rumo ao Canto do Atins, que fica localizado entre o mar e as dunas dos Lençóis Maranhenses. É no Canto do Atins que estão localizados dois famosos restaurantes: o Restaurante da Luzia e o Restaurante do Sr Antônio (que são irmãos). A fama dos restaurantes é por conta da receita de camarão grelhado, cujo tempero é segredo de família!

Paramos no Restaurante do Sr Antônio, por volta das 12:30, apenas para antecipar o pedido do almoço. É claro que minha mãe e eu (e a grande maioria dos visitantes) escolhemos o famoso camarão grelhado, prato que serve duas pessoas. Além de camarão, o restaurante também serve peixe e frango.

Depois de fazer os pedidos de almoço, voltamos à jardineira e seguimos para a praia do Canto do Atins, uma vez que a comida demora cerca de 40 minutos para ficar pronta.

Trilha pelo Canto do Atins, localizado entre o mar e as dunas dos Lençóis Maranhenses.

Praia do Canto do Atins, onde fizemos uma parada para banho antes do almoço.


Ficamos uns 30 minutos na praia e em seguida pegamos novamente a trilha de volta. Hoje está um sobe e desce danado nessa jardineira! No meio do caminho de volta ao restaurante, perto das dunas, fizemos mais uma parada para banho. A jardineira estacionou e fizemos um rápido percurso a pé pelas dunas até chegar à Lagoa das Sete Mulheres, onde pudemos aproveitar um último e refrescante banho de lagoa. Desta vez não levei a câmera para tirar foto da lagoa. Sorry!

Por volta das 14:00 chegamos ao Restaurante do Sr Antonio. Esperamos um pouquinho e logo o nosso prato de camarões grelhados chegou, acompanhado de feijão, arroz, farofa e tomates, a um preço de R$ 80,00.

E não é que o tal camarão é bom mesmo?! Como não tenho muita criatividade para descrever comida e seus sabores, compartilho aqui o divertido relato do blog Matraqueando sobre o famoso camarão grelhado, porém, experimentado no Restaurante da Luzia.

Comendo o famoso camarão grelhado, no Restaurante do Sr Antonio, no Canto do Atins.


Deixamos o restaurante às 15:30 e chegamos às margens do Rio Preguiças para atravessar a balsa até Barreirinhas por volta das 17:00. Hoje o dia foi puxado!

Cheguei morta no hotel e, como já estava de praxe, com uma baita dor na coluna depois de tantos solavancos...

6° Dia (09/06/16): Passeio Cardosa - Flutuação pelo Rio Formigas (de manhã)

Descrição: Transporte feito em veículo 4x4 em direção ao povoado de São João da Cardosa, começando a viagem em estrada de asfalto pela MA-402 e depois uma trilha em meio à Chapada Maranhense, nome dado pelos nativos. Chegando à comunidade, começa a descida pelo Rio Formigas sobre as boias. Durante a flutuação em águas cristalinas, é possível observar a vegetação local. O veículo fica aguardando os clientes no ponto final da flutuação, onde será possível desfrutar um pouco mais do banho no rio. Por ser relaxante e com saída regular somente pela manhã é uma ótima pedida para o último dia de estadia na cidade.

Valor: R$ 70,00 por pessoa.

Horário: 08:30 às 12:30 (duração de 4h).

Tempo de Rodovia/Trilha: Aproximadamente 1h sobre o veículo 4x4 (cada trecho de ida e volta).

Relato do Dia:

Último dia de passeios! E, como a própria agência de turismo sugere, nada melhor do que finalizar a viagem com uma relaxante flutuação pelo Rio Formigas, no povoado de Cardosa.

O motorista foi nos buscar com meia hora de atraso e, quando subimos na jardineira (que já estava levando as boias que seriam utilizadas), percebi que não havia cintos de segurança como todas as outras que fizemos passeios. Definitivamente, duas coisas fora do padrão de qualidade apresentado pela agência São Paulo Ecoturismo nos dias anteriores... Mas tudo bem... vamos lá mesmo assim!

Após buscar todos os passageiros, seguimos pela rodovia MA-402 e depois pegamos uma trilha até chegar ao local, às margens do Rio Formigas, de onde começaria a flutuação com boias. Todo o percurso sobre a jardineira durou um pouco mais de uma hora e para variar foi cheio de solavancos.

Jardineira já levando as boias que serão utilizadas no passeio.


Chegamos ao local por volta das 10:30. Cada um recebeu uma boia e entramos no Rio Formigas. Os locais Francisco e Carlos foram nos conduzindo rio abaixo. A flutuação durou cerca de uma hora. Sem dúvida, um passeio relaxante e divertido.

Ao final, tivemos um pouco mais de tempo para aproveitar o banho de rio. Havia também uma barraca vendendo tapioca e café.

Rio Formigas, onde é feita a flutuação em boias.


Às 12:00, pegamos o caminho de volta a Barreirinhas e chegamos ao hotel em torno das 13:00. Para ser bem sincera, se o percurso até o povoado de Cardosa não fosse tão demorado, o passeio de flutuação valeria mais a pena!

7° Dia (10/06/16): Saída de Barreirinhas

Contratamos o traslado regular (coletivo) de Barreirinhas a São Luís (R$ 60,00 por pessoa) que costuma sair entre 16:30 e 17:00. Sendo assim, pudemos aproveitar com tranquilidade nossas últimas horas de hospedagem no confortável Porto Preguiças Resort. Pena que não conseguimos fazer o late check-out por conta da lotação do hotel e tivemos que deixar o quarto às 12:00. Contudo, é possível aproveitar as áreas comuns.

Às 16:30, uma van nos buscou no hotel e nos levou para uma pousada no centro de Barreirinhas, onde, minutos depois, um ônibus nos buscou para fazer o percurso até São Luís, que totaliza cerca de 268km de distância. O ônibus faz uma parada no meio do caminho para lanches e utilização de banheiro.

Chegamos ao Aeroporto de São Luís por volta das 21:00 e daqui seguimos nosso rumo para casa!


HOSPEDAGEM

Como estava viajando com minha mãe, resolvi escolher a melhor hospedagem possível em Barreirinhas, que pudesse oferecer o maior conforto, comodidade e tranquilidade. Sendo assim, optei pelo Porto Preguiças Resort, cuja reserva efetuei com dois meses de antecedência utilizando o Hoteis.com.

O hotel, categorizado como resort, possui 44 quartos com acomodação total de até 144 pessoas e fica localizado a 2km do centro da cidade de Barreirinhas.

Apenas o café da manhã está incluído na diária e o hotel possui internet Wi-Fi gratuita. O horário de check-in é a partir das 14:00 e o de check-out até 12:00.

Nosso Quarto

Todos os quartos estão localizados no térreo, ou seja, não existe um edifício de apartamentos, deixando o ambiente rústico e agradável. Cada quarto possui uma varanda com cadeiras e redes disponíveis.

Ficamos hospedadas no quarto de n° 02 e fiquei impressionada com o tamanho. O quarto é composto por duas suítes, onde cada uma possui seu próprio banheiro (amplo e arejado) e pequeno closet. Além disso, há condicionadores de ar, televisões, frigobar e cofre. Nos banheiros, há secador de cabelo, item indispensável para muitas mulheres!

Apesar de no site oficial do hotel haver a descrição de internet Wi-Fi gratuita por todo o hotel, fomos avisadas de que o Wi-Fi não estava funcionando nos quartos, apenas nas áreas comuns. Que pena!

Nosso quarto no Porto Preguiças Resort.


Nossa hospedagem foi muito agradável e confortável. Diria apenas que alguns itens estavam precisando de manutenção ou troca. A temperatura da água do chuveiro, por exemplo, era bem difícil de controlar, às vezes esquentava de mais, às vezes de menos. O lençol da cama era um pouco fino, então às vezes eu acordava de madrugada com frio. Contudo, foram coisas que não atrapalharam em nada a nossa estadia.

Outro detalhe importante... como o nosso quarto estava bem próximo da entrada do hotel, às vezes o barulho externo de pessoas chegando dos passeios, ou outros serviços, incomodava um pouco, principalmente à noite. Então, se você deseja mais silêncio, talvez seja melhor fugir dos quartos próximos à entrada, como foi o nosso caso.

Áreas Comuns / Serviços Oferecidos

O hotel possui 200.000m² de área, às margens do Rio Preguiças, com edificações rústicas e em harmonia com a natureza ao redor. É impressionante a riqueza de detalhes da decoração, criando ambientes extremamente charmosos e agradáveis. Por todos os lados, podemos ver antiguidades, obras de arte, artesanato, sem falar da grande área verde, com muitas plantas e flores, colorindo o local.

Posso falar que já me hospedei em muitos resorts pelo Brasil e, sem dúvida alguma, o Porto Preguiças me surpreendeu com toda a beleza de sua arquitetura, decoração e paisagismo.

O Porto Preguiças Resort é lindo!


O hotel disponibiliza aos seus hóspedes: piscinas, quadra de areia, salão de jogos, playground para as crianças, sauna, esteiras, passeios de caiaque, auditórios e capela. É possível, ainda, retirar toalhas na recepção para levar aos passeios externos.

Quadra de areia, com uma bela área verde e florida ao redor.

Piscina principal com fundo de areia.

Piscina com água natural e o Rio Preguiças ao fundo.

Moradores do Porto Preguiças Resort!


Além disso, o hotel também oferece o serviço (terceirizado e pago) de massagem. No nosso último dia de hospedagem, aproveitamos para usufruir uma ótima massagem relaxante. Contudo, o agendamento deve ser prévio, por conta da alta demanda, e o pagamento é realizado diretamente à massagista.

Restaurante / Alimentação

O Porto Preguiças Resort possui um restaurante onde todas as refeições são servidas. Em anexo, há uma área onde fica o bar, com ambiente mais descontraído, próximo à piscina. Neste local, também é possível fazer refeições.

O café da manhã está incluído na diária e é bem servido e variado. O diferencial, pelo meno para mim, são as tapiocas feitas na hora ao gosto do hóspede. Também podem ser feitos na hora ovos mexidos e omeletes.

Restaurante do Porto Preguiças Resort preparado para o café da manhã.

Anexa ao restaurante está essa área mais descontraída próxima do bar e da piscina.


As demais refeições são oferecidas pelo serviço "a la carte". O cardápio é bastante variado, com opções de carne bovina, frango, peixe, camarão, massas, pizzas, sopas, etc.

Jantamos todas as noites no hotel e também almoçamos quando os passeios não duravam o dia inteiro. E a cada refeição, pedíamos um prato diferente para experimentar.

As porções servem bem duas pessoas. Dependendo da escolha, e da fome (se pouca), até sobra comida. Tiveram dois dias em que sobrou bastante comida do almoço e nos deram a possibilidade de guardar a comida (no próprio restaurante) para que pudéssemos jantar à noite. E eles esquentam tudo direitinho, longe de ficar aquela comida com cara e gosto de requentada. Adoramos essa possibilidade! Sem falar na economia que isso gerava.

Abaixo, uma lista dos principais pratos que comemos com os seus respectivos preços:

- Escalopinho de Frango ao Curry: R$ 62,00
- Filet com Fritas: R$ 76,00
- Filet com Legumes: R$ 76,00
- Carne de Sol de Filet Mignon: R$ 76,00
- Filet ao Molho Madeira: R$ 78,00
- Camarão a Provençal: R$ 82,00
- Camarão à Moda do Chef: R$ 82,00

De todos esses pratos, o meu preferido foi o Camarão a Provençal. Simplesmente divino!

Camarão a Provençal, o melhor prato que comemos no Porto Preguiças Resort. Recomendo!


Contudo, no quesito sobremesas, não há muitas opções e o que experimentamos não nos agradou tanto. Ponto a ser melhorado pelo hotel.

Incluindo almoço, jantar, lanches e bebidas, nossa despesa com bar/restaurante totalizou em R$ 757,50, uma média de R$ 126,25 por diária para duas pessoas, ou seja, cerca de R$ 63,00 por pessoa. Na minha opinião, um custo diário muito justo para uma hospedagem em um resort.

Importante: Sobre o valor final da conta, incluindo as diárias, incide ISS (imposto sobre serviços) a uma alíquota de 5% (cinco por cento).


CONSIDERAÇÕES FINAIS

Definitivamente, visitar os Lençóis Maranhenses foi uma experiência única em minha vida. E eu não poderia ter escolhido uma época do ano melhor. Como o período chuvoso (fevereiro a maio) de 2016 foi fraco, as lagoas não chegaram em seu maior nível de água, e algumas nem chegaram a se formar. Por conta disso, acabamos visitando os Lençóis Maranhenses em seu melhor momento, ou seja, no início de junho, pois as lagoas já iriam começar a secar nos meses subsequentes.

Com relação à empresa São Paulo Ecoturismo, localizada em Barreirinhas, não tenho qualquer reclamação. Foi outra escolha acertada. A empresa se apresentou bastante organizada e eficiente. Seus guias sempre muito simpáticos, atenciosos e cuidadosos, principalmente com minha mãe (não sei se é costume, mas fizemos questão de dar gorjeta aos guias). Sem falar na pontualidade e na qualidade do serviço prestado. As jardineiras possuíam cintos de segurança, algo que nem todas as agências oferecem. O único passeio que fugiu desse padrão de qualidade foi o da flutuação pelo Rio Formigas.

E por falar em passeios, abaixo apresento a minha lista de preferência:

1. Circuito da Lagoa Bonita
2. Circuito da Lagoa Azul
3. Circuito Atins
4. Passeio Cardosa - Flutuação pelo Rio Formigas
5. Passeio Náutico - Vassouras, Mandacaru e Caburé

Considero os três primeiros imperdíveis! Sendo que, para quem tiver disposição, é possível fazer os circuitos da Lagoa Bonita e da Lagoa Azul no mesmo dia.

Dizem que a parte dos Lençóis Maranhenses acessada por Santo Amaro também é linda. Conheci muitas pessoas que dividiram suas estadias entre Barreirinhas e Santo Amaro. Contudo, fiquei satisfeita com a minha decisão de ficar apenas em Barreirinhas e fazer os passeios partindo desta cidade. A hospedagem tranquila e confortável no Porto Preguiças Resort equilibrou perfeitamente o cansaço do esforço físico exigido nos passeios.

Acho importante deixar registrado também algo que não levei muito a sério em alguns blogs que li: a não recomendação da viagem para quem tem problemas de mobilidade e de coluna... Bem, acabei me tornando vítima da minha própria teimosia! Há anos tenho problemas de coluna, e todo o sacolejo e solavancos sobre a jardineira, em percursos que variavam de 45 minutos a 1:30h, acabou sendo um grande baque na minha coluna. Então desde o primeiro dia de passeio fui obrigada a tomar analgésicos e relaxantes musculares para aguentar até o fim da viagem. Tanto que, assim que cheguei em casa, a primeira coisa que fiz foi marcar um médico ortopedista. Então, se você tem problema de coluna, ou algum outro problema de mobilidade, não recomendo esta viagem a você!

Interessante falar também sobre a experiência da minha mãe, que já entrou na faixa etária considerada de idosos. Ao contrário de mim, ela não tem problema de coluna, então os solavancos dos percursos não foram um grande problema. Para ela, a dificuldade maior era enfrentar as subidas pelas dunas sob um sol forte e muito vento. Tanto que ela preferiu não fazer o Circuito da Lagoa Bonita por conta da necessidade de subir uma duna bem íngreme. Apesar disso, afirmo que ela se saiu bem melhor do que eu nesta viagem!

E, por fim, reafirmo que esta viagem foi uma experiência única na minha vida. Quem me conhece sabe que meu perfil de viajante está longe de incluir aventuras, principalmente em meio à natureza! Basta olhar as viagens que já relatei aqui no blog para perceber que esta foge totalmente do meu padrão! Contudo, apesar de todos os percalços e da dor que senti durante toda a viagem (e depois também), sinto-me orgulhosa de ter saído da minha zona de conforto para conhecer este lugar tão incrível, com uma beleza surreal, denominado Lençóis Maranhenses.

Até a próxima viagem!

2 comentários:

  1. Ricardo Peixoto10 agosto, 2016 19:07

    Parabéns Patrícia por ter procurado uma experiência nova, fora da floresta de pedra. Suas fotos são de tirar o fôlego, você já está no nível profissional!
    Estou admirado também pela sua disposição para todas as aventuras. Lógico que o ponto alto de todos os passeios compensaram, mas ainda assim eu achei que ficou puxado os passeios todos os dias. Acho que tirar um dia para parar numa lagoa ou um riozinho só para descansar com um cervejinha caia bem também rss
    Vou falar que achei os primeiros 2 passeios os mais bonitos e gratificantes, mas todos são excelentes!
    Obs. final: Cadê as fotos dentro d´água? tu falaste que tinha momentos para se refrescar, mas em nenhum momento falou se você entrou na água (salvo a parte obrigatória de atravessar a lagoa eheh)

    Você está de parabéns pelo trabalho, a riqueza de informações sempre serão muito úteis. Até a próxima viagem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ricardo, obrigada pelo comentário! Vou te falar que tem pessoas que pegam mais pesado nos passeios! Eu coloquei um por dia justamente para aproveitar melhor o resort nos dias de passeio de meio período, mas mesmo assim foi puxado para mim! Sou meio fraca para essas aventuras! Com relação às fotos dentro d'água... não tenho câmera fotográfica à prova d'água... Fez muita falta! Acho que vou ter que providenciar uma né? Claro que aproveitei as lagoas, água na temperatura ideal, um piscinão em meio às dunas! Abraços!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...