08 janeiro 2017

[Santiago 2016] 3º dia: Vinícola Concha y Toro

Terceiro dia em Santiago do Chile! A manhã será dedicada para conhecer a vinícola Concha y Toro, passeio este que resolvi agendar com a agência Indo pro Chile, com direito à degustação de vinhos e visita especial à adega Casillero del Diablo, onde conheceremos a lenda por detrás deste nome!

À tarde, um almoço no restaurante Baco Vino y Bistro, na região de Providencia, onde tivemos uma ótima experiência. Recomendo demais!

A seguir, o relato detalhado deste dia, com fotos e dicas, incluindo o mapa com os lugares visitados e o trajeto percorrido a pé no período da tarde. Ao final, a estimativa de gastos comparada com os gastos efetivos.

ROTEIRO ORIGINAL (Segunda-Feira – 24/10/2016):

Manhã: Vinícola Concha y Toro
Tarde livre

RELATO DO DIA:

Vamos começar o dia de hoje visitando a famosa vinícola Concha y Toro, fundada em 1883 por Don Melchor de Concha y Toro. Antes de sair do quarto, deixamos uma gorjeta de $500 pesos chilenos para a camareira pela limpeza e arrumação do quarto.

É possível agendar a visita no próprio site oficial da vinícola, e assim escolher o tipo de tour desejado: Tour Tradicional ou Tour Marques de Casa Concha.

Por comodidade, resolvi utilizar os serviços da agência Indo pro Chile, super recomendada pela Rosi Guimarães, do excelente blog Nós no Chile. Escolhi o tour tradicional, uma vez que minha mãe não é uma grande fã de vinhos, e solicitei a reserva pelo site da agência. O restante da transação foi concluída por e-mail, com o pagamento de um sinal de $10.00 dólares por pessoa para garantir a reserva (o restante deve ser pago no dia do passeio). O passeio inclui, além do tour pela vinícola, o traslado e guia/motorista.

Abaixo, mais informações sobre o passeio escolhido, disponíveis no site do Indo pro Chile:

Horário: 08:30 às 12:00 (também existe possibilidade de passeio à tarde)
Valor: $55.00 dólares ou $35.000 pesos chilenos por pessoa
Inclui: Degustação de 3 vinhos da casa e taça de brindes

No dia anterior, a agência me enviou por Whatsapp o nome do motorista que iria nos buscar no hotel, Dagoberto. O horário marcado foi às 08:30, contudo, por conta do trânsito pesado, Dagoberto conseguiu chegar apenas às 09:00, e nos pediu mil desculpas por isso!

O veículo era uma van preta com a logomarca da agência. Além de mim e minha mãe, havia mais dois casais brasileiros.

Do nosso hotel até a vinícola, o percurso durou em torno de uma hora. Chegamos às 10:00 e recebemos os ingressos para o tour das 10:30, com duração aproximada de uma hora e degustação de três vinhos.

Chegando à vinícola Concha y Toro.

Mami e eu aguardando o início do tour pela vinícola.


Pontualmente às 10:30 o tour foi iniciado. A primeira parada foi para conhecer os jardins, o parque e o exterior do Casarão que servia de residência de verão da família Concha y Toro no fim do século XIX. O Casarão estava passando por reformas e não era possível entrar para conhecer.

Casarão que servia de residência de verão da família Concha y Toro no fim do século XIX.

Parque existente na vinícola Concha y Toro.


Em seguida, visitamos o denominado Jardim de Variedades, uma espécie de mini vinhedo onde são cultivados 26 tipos de uvas utilizadas nos vinhos Concha y Toro, para que os visitantes possam conhecer e aprender um pouco sobre as uvas em um só lugar. Pena que nesta época do ano as parreiras ainda estão sem uvas.

Visitando o Jardim de Variedades, um mini vinhedo apresentando 26 tipos de uvas utilizadas nos vinhos Concha y Toro.

Bela vista do Jardim de Variedades.

Jardim de Variedades, com destaque às parreiras da uva Merlot.


Ficamos apenas uns 10 minutos no Jardim de Variedades e daqui fomos para um pátio onde teríamos a primeira degustação de vinho.

Neste momento, cada visitante recebeu uma taça de vidro com a marca Concha y Toro e uma caixinha para guardá-la e carregá-la pelo resto do passeio.

O primeiro vinho degustado foi um Terrunyo Sauvignon Blanc. Como não sou uma estudiosa e conhecedora de vinhos, prefiro não dar qualquer opinião a respeito! Eu gosto é de bebê-los! Mas confesso que minha preferência são os tintos.

Deixando o Jardim de Variedade rumo à primeira degustação de vinho.

Primeiro vinho degustado: Terrunyo Sauvignon Blanc.

Taça de vidro que os visitantes ganham durante o tour.


Após a primeira degustação, entramos para visitar as adegas onde ficam armazenados os barris e as garrafas de vinho, em especial a adega centenária do Casillero del Diablo, onde conheceremos a história, ou a lenda, que gerou o nome do vinho mais famoso da vinícola Concha y Toro.

Durante a visita à adega do Casillero del Diablo, que é bem escura, os visitantes são trancados e um áudio começa a tocar, contando, em espanhol, a história que deu origem ao nome Casillero del Diablo. Ao mesmo tempo, imagens são projetadas nas paredes da adega, incluindo efeitos de iluminação, para deixar tudo mais emocionante. Quase uma atração da Disney! Cheguei a gravar um vídeo, mas não vou colocar aqui para não fazer spoiler!

Resumindo a lenda... Em 1871, Don Melchior, ao descobrir que seus vinhos estavam sumindo de sua adega, espalhou o rumor de que na sua adega especial, onde guardava os melhores vinhos, habitava o diabo. A história se espalhou de tal forma que, desde então, nunca mais uma garrafa de vinho voltou a desaparecer. Em 1891, Don Melchior resolve dar vida à esta lenda cirando a marca de vinhos denominada "Casillero del Diablo". A palavra "casillero" significa um arquivo, ou o que prefiro chamar de armazém ou depósito. Sendo assim, podemos traduzir "casillero del diablo" como "armazém do diabo". E esta é a lenda por detrás do nome de um dos mais famoso vinhos de Concha y Toro.

Para saber mais detalhes sobre a lenda, sugiro assistir ao vídeo em português disponível no site oficial do Casillero del Diablo.

Uma das adegas da Concha y Toro.

Ao fim da escada está a porta de acesso à adega do Casillero del Diablo.

Adega do Casillero del Diablo. Tudo bem escuro para entrar no clima da lenda!

E lá está o diabo que protege até hoje os vinhos mais especiais de Concha y Toro!


Depois de visitar a adega do Casillero del Diablo e conhecer sua lenda, fomos a uma sala para degustar mais dois vinhos, tintos dessa vez, primeiro um Terrunyo Carmenere e depois um Marques de Casa Concha Merlot.

Continuando a degustação de vinhos.


Às 11:30 o tour foi encerrado e tivemos um tempo livre para visitar a loja e comprar uns vinhos, é claro! Por indicação de um amigo, comprei três vinhos Marques de Casa Concha Cabernet Sauvignon, cada um custando em torno de $15.00 dólares. Realmente um ótimo vinho. Fica a dica!

Visitando a loja da Concha y Toro.

Não dá para sair da loja Concha y Toro sem comprar uns vinhos!

Deixando a vinícola Concha y Toro.


Saímos da vinícola Concha y Toro um pouco antes das 12:00 rumo à Santiago. Infelizmente, pegamos um enorme engarrafamento pelo caminho e fomos chegar ao nosso hotel às 13:30. Ao nos despedirmos do nosso motorista Dagoberto, o agraciamos com uma gorjeta de $6.550 pesos chilenos.

Deixamos as compras no quarto e voltamos a sair, primeiro para trocar dinheiro e depois almoçar. Contudo, como estávamos famintas, compramos um lanchinho na Starbucks perto do hotel no valor de $3.300 pesos chilenos (2 scones de queijo por $1.650 cada). Daqui seguimos para a loja Cambios Santiago, onde a cotação do Real estava 195 Pesos Chilenos.

Depois de trocar dinheiro, fomos tentar almoçar no restaurante Baco Vino y Bistro, com ótima indicação da Rosi Guimarães, do blog Nós no Chile, e que fica bem próximo ao nosso hotel, na região de Providencia.

Chegamos lá às 14:30, sem reserva, o que não é muito recomendado! Contudo, mesmo com o restaurante lotado, ainda conseguimos uma mesa perto do bar. Achei o ambiente descontraído e fomos muito bem atendidas. A culinária é basicamente francesa.

"Turistas, estamos en Chile, los invitamos a practicar su Español". Adorei e acho justo!


De prato principal, pedi um "Strogonoff" acompanhado de arroz e mami pediu um "Medallón de Filete" acompanhado de molho bearnaise e batatas fritas. Para beber, pedi um suco de laranja (delicioso) e mami pediu uma água de côco. E de sobremesa, é claro que escolhi um crème brûlée, que tanto amo!

A comida estava sensacional por um preço que achei ótimo, sem contar que o restaurante não cobra o serviço (e olha que tentei deixar gorjeta mas o gerente não aceitou!). Definitivamente, recomendo demais este restaurante!

Abaixo, a descrição detalhada da nossa conta:

- Strogonoff: 8.900
- Medallón de Filete: 11.600
- Suco de laranja: 2.800
- Água de côco: 2.800
- Crème brûlée: 4.200
TOTAL: 30.300

Comida deliciosa e preço justo no Restaurante Baco Vino y Bistro, em Providencia.


Depois deste ótimo almoço, por volta das 16:00, resolvemos passar no mercado Santa Isabel para comprar mais duas garrafas de água mineral ($630 x 2 = $1.260). Em seguida, voltamos ao hotel, de onde não saímos mais. Nosso lanche noturno foram as frutas que sempre costumamos pegar do café da manhã! Abafaaaaaaaa!

Abaixo, o mapa com o trajeto percorrido a pé e os lugares visitados no período da tarde (após o passeio à vinícola Concha y Toro).




GASTOS DIÁRIOS (em pesos chilenos, para duas pessoas):

ESTIMATIVA DE GASTOS GASTOS EFETIVOS ECONOMIA
Tour Concha y Toro: 2x35.000=70.000 Tour Concha y Toro: 70.000 0
Alimentação: 40.000 Alimentação: 34.860 5.140
Gorjetas: 7.050 -7.050
110.000 111.910 -1.910
Saldo Anterior: 788.742 / Saldo Atual: 676.832 / Economia Geral: 13.832

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...