15 março 2017

[Santiago 2016] 9º dia: Valparaíso e Viña del Mar

Mais um dia em Santiago do Chile, que será dedicado para conhecer as cidades litorâneas de Valparaíso e Viña del Mar, passeio este que agendei com a agência Indo Pro Chile.

A seguir, o relato detalhado deste dia, incluindo muitas fotos, dicas e uma comparação entre os gastos estimados com os gastos efetivos.

ROTEIRO ORIGINAL (Domingo – 30/10/2016):

Valparaíso
    Casa Museo La Sebastiana
Viña del Mar

RELATO DO DIA:

Hoje o dia será dedicado para conhecer duas cidades bastante visitadas no litoral chileno: Valparaíso e Viña del Mar.

Reservei este passeio com a agência Indo Pro Chile, super recomendada pela Rosi Guimarães, do excelente blog Nós no Chile. Solicitei a reserva diretamente no site da agência e o restante da transação foi concluída por e-mail, com o pagamento de um sinal de $10.00 dólares por pessoa para garantir a reserva (o restante deve ser pago no dia do passeio).

Abaixo, mais informações sobre o passeio escolhido, disponíveis no site do Indo Pro Chile:

Horário: 08:00 às 18:00
Valor: $55.00 dólares ou $35.000 pesos chilenos por pessoa
Inclui: traslado e city tour pelas cidades de Valparaíso e Viña del Mar (ingressos de atrações e almoço não incluídos).

No dia anterior, a agência me enviou por Whatsapp o nome do motorista que iria nos buscar no hotel, Leonardo, que nos buscou às 08:15 em uma van preta com a logomarca da agência. Depois, fomos buscar mais dois casais brasileiros em seus hotéis e, então, seguimos viagem às 09:00 rumo ao litoral do Chile.

Às 09:40 fizemos uma parada na Casona Veramonte, uma vinícola localizada no Vale de Casablanca. Há uma loja e uma cafeteria no local, mas mami e eu não compramos nada e utilizamos apenas o banheiro.

A parada na vinícola foi rápida, de apenas meia hora, e, às 10:15, pegamos novamente a estrada rumo a Valparaíso, onde chegamos por volta das 10:50.


Um pouco de história...

Valparaíso foi oficialmente fundada em 1544, oito anos após o primeiro contato dos espanhóis com o local. O governador do Chile, à época, denominou a cidade de "Puerto Natural de Santiago del Nuevo Extremo".

Durante a segunda metade do século XVIII as exportações enviadas pelo porto aumentaram. E, com a independência chilena e a declaração de liberdade de comércio, Valparaíso foi declarada como porto franco, tornando-se escala obrigatória de rotas marítimas que vinham do Oceano Pacífico e do Oceano Atlântico.

Em 1866, Valparaíso experimentou um grande desenvolvimento e crescimento, mas estes foram interrompidos pelo bombardeio da esquadra espanhola e o incêndio que destruiu grande parte do setor portuário da cidade, que mais tarde foi reconstruído e fortificado novamente.

Em 1910, após um grande terremoto que atingiu Valparaíso, as obras de reconstrução da cidade foram iniciadas, incluindo o alargamento das ruas e a ampliação do porto. Contudo, a abertura do Canal do Panamá, em 1914, acabou causando uma redução da atividade portuária de Valparaíso, fazendo com que a cidade perdesse a sua importância portuária.

O regime militar de 1973 a 1989, juntamente com a crise econômica de 1982, também afetou negativamente a cidade, resultando no fechamento de muitas indústrias e a transferência de outras para Santiago.

Em 2003, Valparaíso foi declarada Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO, em virtude da sua importância histórica ao Chile.

Uma característica muito interessante de Valparaíso é justamente a sua geografia. A cidade foi construída em meio a morros e colinas. E devido a tantas inclinações, vários ascensores (espécie de funicular) foram construídos para conectar a parte baixa da cidade com a parte alta. Hoje esses ascensores tão antigos chamam a atenção dos turistas e dão um charme a mais à cidade de Valparaíso.

(fonte: Wikipedia)


Continuando o relato, nossa primeira parada em Valparaíso foi na Casa Museo La Sebastiana, uma das residências do poeta chileno Pablo Neruda e que foi transformada em museu.

Pablo Neruda possuía três casas no Chile, sendo que cada uma recebeu do escritor um nome: La Chascona (em Santiago), La Sebastiana (em Valparaíso) e Isla Negra (em El Quisco). O site Viaje na Viagem tem uma ótima postagem sobre as três casas. Recomendo a leitura!

Como o tempo era curto, resolvemos não visitar o interior da casa, cuja entrada é paga. Visitamos a área externa, que tem uma ótima vista da cidade e da sua região portuária. Aproveitamos também para fazer um lanche na cafeteria do local, a $2.600 pesos chilenos, e para usar o banheiro.

Chegando a Casa Museo La Sebastiana, em Valparaíso.

Fachada de La Sebastiana, uma das casas do poeta chileno Pablo Neruda e transformada em museu.

Vista de Valparaíso desde La Sebastiana.

O banco retrata o perfil de Plabo Neruda.


Deixamos La Sebastiana às 11:30 e seguimos com o nosso city tour por Valparaíso.

A cidade é bastante peculiar. Possui uma parte baixa e uma parte alta, onde as casas se aglomeram pelos morros. A primeira impressão é de que a cidade está abandonada e precisando urgentemente de revitalização. Contudo, começo a achar que as casas coloridas, as pichações e artes de rua (grafites), e todo o resto, compõem a arquitetura inusitada da cidade, com suas ruas estreitas e muitas ladeiras, dando um charme todo especial a Valparaíso.

Passeando por Valparaíso.

Uma das características de Valparaíso são suas diversas casas coloridas.

As casas vão se aglomerando de forma bem inusitada pelos morros de Valparaíso.

Outra característica de Valparaíso: grafites (street art).


A próxima parada foi no Cerro Alegre (cerro significa morro/monte/colina, em português), mais especificamente no Paseo Yoguslavo, que possui um mirante de onde se tem uma bela e ampla vista de Valparaíso.

Aqui estão o Museo Municipal de Bellas Artes, situado no belo Palácio Baburizza, construído em 1916 em estilo art nouveau; e o ascensor El Peral, inaugurado em 1901 e que conecta o Paseo Yugoslavo a Plaza de Justicia, na parte baixa da cidade.

Palácio Baburizza, sede do Museo Municipal de Bellas Artes de Valparaíso, no alto do Cerro Alegre.

Vista de Valparaíso a partir do Cerro Alegre, mais especificamente no Paseo Yoguslavo.

Ascensor El Peral, inaugurado em 1901, conecta o Paseo Yugoslavo, no Cerro Alegre, à parte baixa da cidade.


Descemos do Cerro Alegre e seguimos até a Plaza Sotomayor, local que abriga o centro cívico e portuário da cidade de Valparaíso.

Nesta praça estão o Monumento aos Heróis de Iquique, os edifícios da Armada do Chile e da Companhia SudAmericana de Vapores (CSAV). Este último possui uma arquitetura bem inusitada. Uma vez que não é possível demolir edifícios históricos, manteve-se a fachada original intacta e internamente foi construído um edifício novo e moderno.

Edifício da Armado do Chile, na Plaza Sotomayor.

À esquerda, o interessante edifício da Companhia SudAmericana de Vapores. À direita, o Monumento aos Heróis de Iquique.


Nosso guia Leonardo perguntou se queríamos subir de van ou de ascensor até o Paseo 21 de Mayo... é claro que preferimos o ascensor, para vivenciar essa experiência tão típica de Valparaíso!

Então ele nos deixou na base da estação do ascensor Artillería, que fica ao lado do Edifício da Aduana, na Plaza Wheelwright, e nos esperaria com a van já no Paseo 21 de Mayo. Este ascensor foi inaugurado em 1893 e possui uma ótima visão panorâmica do porto da cidade.

Pegamos uma pequena fila para comprar os ingressos e embarcar no ascensor. Cada ingresso custou o módico valor de $300 pesos chilenos.

Abaixo, além de fotos, fiz um vídeo bem curtinho da nossa subida.

Edifício da Aduana, na Plaza Wheelwright, e a estação do ascensor Artillería ao lado.

Subindo pelo ascensor Artillería rumo ao Paseo 21 de Mayo.




Encontrei uma postagem muito interessante sobre os ascensores de Valparaíso no site LikeChile. Recomendo a leitura!

Desembarcamos do ascensor Artillería diretamente no Paseo 21 de Mayo, de onde se tem uma das mais belas vistas da cidade e do porto de Valparaíso.

Aqui estão o Museo Maritimo Nacional e várias lojas e quiosques vendendo artesanatos e outros produtos típicos do Chile.

Coreto no Paseo 21 de Mayo.

Outro ascensor de Valparaíso, visto do alto do Paseo 21 de Mayo.

Ampla vista do porto de Valparaíso desde o Paseo 21 de Mayo.

Museo Maritimo Nacional, ao lado do Paseo 21 de Mayo.


Por volta das 13:00 deixamos Valparaíso rumo a Viña del Mar, cidade litorânea vizinha. Fomos percorrendo a avenida costeira e já pudemos perceber o quanto Viña del Mar é distinta de Valparaíso, exibindo suas ruas amplas, praças arborizadas e floridas, tudo muito limpo e moderno. Acredito que Viña del Mar deva atrair um público diferente de Valparaíso!


Um pouco de história...

Viña del Mar foi fundada em 1878 nascendo da fusão de duas fazendas que cultivavam vinhedos, que, com o passar do tempo, se tornaram conhecidos como "la viña de la mar" (o vinhedo do mar), do qual se deriva o nome atual da cidade.

No início do século XX, Viña del Mar começou a se desenvolver rapidamente e acabou se transformando em um balneário badalado e bastante procurado pela aristocracia que descobriu os benefícios dos banhos de mar e do ar livre. Desde então, suas praias são consideradas a principal atração turística da cidade, que se tornou a capital turística do Chile, contando com uma ampla rede hoteleira.

(fonte: Wikipedia)


Fizemos uma parada super rápida para fotos no Relógio de Flores, situado diante da praia de Caleta Abarca, na avenida que une Viña del Mar a Valparaíso. O relógio foi construído à época da Copa do Mundo de Futebol de 1962, que seria disputada na cidade e acabou se tornando um dos seus principais símbolos.

Depois da rápida visita ao Relógio de Flores, continuamos pela avenida costeira rumo ao bairro de Reñaca, onde teríamos uma parada para o almoço.

Ao fundo, o Relógio de Flores, bastante procurado pelos turistas em Viña del Mar.

Relógio de Flores, um dos símbolos da cidade de Viña del Mar.

Viña del Mar é um balneário turístico bastante badalado no Chile.

Avenida costeira de Viña del Mar.


Às 14:15, nosso guia Leonardo nos deixou próximo à Praia de Reñaca, na Avenida Borgoño, onde há várias opções de restaurantes.

Todos nós escolhemos almoçar no restaurante Los Pomairinos. Nossa, pense em uma comida sem graça e que definitivamente não vale o alto preço cobrado... O típico restaurante "pega-turista", ou no inglês "tourist trap". Vá por mim e passe longe desse restaurante! Para ter uma noção do quanto este restaurante é ruim, basta dar uma olhada no ranking e nas avaliações no TripAdvisor...

Abaixo, a descrição detalhada da nossa conta:

- Sucos: 2 x 3.200 = 6.400
- Congrio: 2 x 12.500 = 25.000
- Purê de batatas: 2.500
SUBTOTAL: 33.900
- Gorjeta (10%): 3.300
TOTAL: 37.200 (aproximadamente R$190,00)

Só de pensar que pagamos um valor bem similar por uma comida sensacional no restaurante Como Água para Chocolate em Santiago, dá tristeza... Enfim, só nos resta esquecer essa experiência ruim.

Depois do almoço ficamos passeando no calçadão da Praia de Reñaca até o horário marcado pelo Leonardo para voltarmos à van.

Região da Praia de Reñaca, onde almoçamos (nada bem) em Viña del Mar.

Praia de Reñaca, em Viña del Mar.

Praia de Reñaca.

Praia de Reñaca, bem badalada em Viña del Mar neste domingo.

Bairro de Reñaca, em Viña del Mar.


Às 16:00 voltamos para a van e fomos para a nossa próxima e última parada em Viña del Mar, a Plaza Carrasco, onde, em frente ao Museo Fonck, está um Moai, estátua típica e originária da Ilha de Páscoa. O Moai, de 2,90 metros de altura e esculpido em pedra vulcânica, foi trazido da ilha em 1951, ficando primeiramente exposto em Valparaíso, e desde 1988 encontra-se na exposto na atual localização em Viña del Mar.

Pelo caminho, passamos pelo Casino Municipal de Viña del Mar, inaugurado em 1929 e, durante anos, um dos poucos cassinos existentes no Chile.

Casino Municipal de Viña del Mar.

Estátua Moai, típica e originária da Ilha de Páscoa, em frente ao Museo Fonck, em Viña del Mar.


Depois da rápida parada para fotos com o Moai, pegamos a estrada de volta a Santiago, onde chegamos ao nosso hotel por volta das 18:00. Ao nos despedirmos do nosso motorista Leonardo, o agraciamos com uma gorjeta de $6.550 pesos chilenos.

Abaixo, o mapa com os lugares visitados em Valparaíso e Viña del Mar:




GASTOS DIÁRIOS (em pesos chilenos, para duas pessoas):

ESTIMATIVA DE GASTOS GASTOS EFETIVOS ECONOMIA
Tour Valparaiso e Viña del Mar: 2x35.000=70.000 Tour Valparaiso e Viña del Mar: 70.000 0
Casa Museo La Sebastiana (Valparaiso): 2x6.000=12.000 Casa Museo La Sebastiana (Valparaiso): 0 12.000
Alimentação: 40.000 Alimentação: 39.800 200
Acensor Valparaiso: 2x300=600 -600
Gorjeta: 6.550 -6.550
122.000 116.950 5.050
Saldo Anterior: 319.239 / Saldo Atual: 202.289 / Economia Geral: 28.289

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...