06 agosto 2017

[Peru 2017] 6º dia: Ollantaytambo

Mais um dia de viagem pelo Vale Sagrado! Hoje reservado para conhecer a pequena cidade de Ollantaytambo, que, além de ser gracinha, possui um sítio arqueológico sensacional. Definitivamente, recomendo a estadia em Ollanta (para os íntimos!) para aproveitar, sem pressa, as atrações desta charmosa cidade.

Ficamos hospedadas por duas noites no hotel El Albegue, que possui um ótimo restaurante. Por conta da grande demanda, recomenda-se efetuar reserva para o jantar. E foi exatamente o que fizemos. Jantamos pela segunda vez consecutiva neste restaurante e novamente tivemos uma ótima experiência gastronômica!

A seguir, o relato detalhado deste dia, incluindo muitas (mas muitas) fotos, informações e uma comparação entre os gastos estimados com os gastos efetivos.

ROTEIRO ORIGINAL (Sexta-Feira 02/06/2017):

Sítio Arqueológico de Ollantaytambo (ingresso incluído no boleto turístico)
Almoço: Hearts Cafe
Jantar: El Albergue

RELATO DO DIA:

Acordamos cedinho e fomos tomar café da manhã, que está incluído na diária do hotel El Albergue Ollantaytambo. Há um buffet com pães, frutas, iogurtes e bebidas. E um cardápio para pedir os pratos quentes, como ovos fritos/mexidos, omeletes, torradas, etc. Tudo muito saboroso e fresquinho. Adorei!

Saímos do hotel às 09:15 e seguimos a pé rumo ao Sítio Arqueológico de Ollantaytambo. O hotel fica dentro da estação de trem, um pouco longe do centro da cidade. Então tivemos que caminhar cerca de 1km pela Avenida Ferrocarril, e depois pela Calle Principal, até à entrada das ruínas, mas fomos bem devagar aproveitando a paisagem e o dia que estava lindo!

Chegamos ao Sítio Arqueológico de Ollantaytambo às 09:45 e o seu ingresso está incluído no Boleto Turístico de Cusco.

Rio Patacancha, afluente do Rio Urubamba, e que passa ao lado da Avenida Ferrocarril em Ollantaytambo.

Chegando ao Sítio Arqueológico de Ollantaytambo.


A 94km da cidade de Cusco, Ollantaytambo, que fica a 2.750 metros de altitude, é considerada uma obra monumental da arquitetura Inca. Construída em uma colina, funcionou como complexo militar, religioso, administrativo e agrícola. Em um dos topos está o que restou de seu templo principal, denominado de Templo del Sol, construído com imensas pedras perfeitamente talhadas e encaixadas umas nas outras. Além disso, neste imenso complexo arqueológico, ainda podemos encontrar aquedutos para distribuição de água, casas que funcionavam como residências, depósitos e outros tipos de recintos, sem falar nos imensos terraços agrícolas.

A construção de Ollantaytambo é datada do Império Inca e, durante a colonização espanhola, foi utilizada como fortaleza pela resistência Inca. A grandiosidade do local impressiona.

Ollantaytambo serviu de fortaleza durante a resistência Inca à colonização espanhola.


Apesar de sabermos que uma visita guiada é sempre enriquecedora no quesito história do local,  é fato que este tipo de visita costuma ser um pouco corrido. Sendo assim, optamos por fazer uma visita por conta própria, no nosso próprio ritmo, bem lento!

Na entrada do sítio existe um grande mapa do local, com indicação das principais atrações e sugestões de circuitos de visitas (curto, médio e completo). Como estávamos livres, optamos pelo circuito completo, só que fizemos o caminho inverso... só depois notamos que estávamos indo contra o fluxo! #abafa

Infelizmente, não tirei foto do mapa... mas encontrei esta foto perfeita do blog de viagem de Bill Hall & Diane Herr. Ficam aqui os devidos créditos.

Mapa das ruínas de Ollantaytambo. (Fonte: Diane Herr & Bill Hall).


Iniciamos a visitação pelo complexo das fontes, à direita da entrada do sítio, onde passamos pelo Templo del Agua, Fuente Ceremonial e Baño de la Ñusta.

Complexo das fontes no Sítio Arqueológico de Ollantaytambo.

Aproveitando este dia lindo de sol em Ollantaytambo.

Templo del Agua à direita, em Ollantaytambo.


Em seguida, caminhamos por um extenso gramado (encontramos várias alpacas pelo caminho) até a extremidade direita do sítio. Aqui passamos pelo Incamisana, mais um templo de água esculpido na montanha com vários aquedutos ao redor para a distribuição da água.

A tranquila alpaca e eu! Ao fundo o templo de água denominado de Incamisana.

As fontes de água do templo Incamisana, em Ollantaytambo.

Desfilando na passarela... uma alpaca!


Fizemos o caminho de volta até a escadaria do terraço denominado Andenes Manyaraki para dar início à subida até as atrações construídas pelas colinas. Haja fôlego agora!

Quando chegamos ao topo da escadaria, seguimos pela trilha da direita com o objetivo de visitar as Qolqas, que são recintos para armazenagens, como depósitos.

Chegou a hora de encarar a subida para visitar as atrações existentes no alto das colinas.

Lá vem mami! Devagar e sempre!

Mami chegou! Mas ainda tem mais subida pela frente!

Ampla vista do terraço denominado Andenes Manyaraki. Uma bela subida!

Mami desbravando uma Qolqa, o nome dado aos recintos para armazenagens.

Depois de visitar as Qolqas, voltamos pela mesma trilha e seguimos em frente rumo à extremidade esquerda da colina, onde ficam as seguintes atrações: Diez Hornacinas (dez nichos esculpidos em um muro que seriam para abrigar estátuas ou outros objetos), Zona de Control e Templo del Sol.

O Templo del Sol é uma construção incrível formada por seis imensas pedras, cada uma pesando cerca de 70 toneladas, perfeitamente talhadas e encaixadas uma ao lado da outra. Só mesmo as habilidades da engenharia Inca para realizar obras arquitetônicas tão surpreendentes!

Mais uma vez o terraço denominado Andenes Manyaraki, depois de visitar as Qolqas.

Uma paradinha para apreciar a vista, e descansar! À esquerda, já podemos ver as Diez Hornacinas.

Construção incrível dos terraços, com pedras talhadas e perfeitamente encaixadas umas nas outras.

Ao fundo, a denominada Zona de Control, provavelmente utilizada durante a resistência Inca à colonização espanhola.

O incrível Templo del Sol, com suas enormes pedras perfeitamente encaixadas umas nas outras.

Bela visão a partir do topo da colina das ruínas de Ollantaytambo.


Depois de 2:30h visitando o sítio, fizemos uma parada em meio às ruínas para fazer um pequeno lanche. Como o sol estava muito forte e o cansaço de tantas subidas e caminhadas em trilhas estreitas, resolvemos finalizar nossa visitação e descer as escadarias.

Chegou a hora de descer!

Finalizando a visita ao Sítio Arqueológico de Ollantaytambo.


Antes de ir embora, aproveitamos para ir ao banheiro existente no local.

Dica: Durante esses tipos de passeio, recomendo levar sempre papel higiênico, lenços de papel e lenços umedecidos, pois o risco de não haver papel higiênico em banheiros públicos é grande. Para nós mulheres essa dica é valiosa!

Deixamos o Sítio Arqueológico de Ollantaytambo às 12:45, totalizando em 3 horas de visitação. Mas com tantas coisas para visitar no local, facilmente se passa mais tempo por aqui. Até agora, foi o sítio arqueológico mais bacana que visitamos pelo Vale Sagrado. Recomendo muito a visita!

Aproveitamos para fazer um lanchinho no Hearts Cafe, restaurante muito bem avaliado no TripAdvisor. Pedimos algo simples: dois sanduíches de queijo com tomate e molho pesto, que, por sinal, estavam deliciosos, refrigerante e, para finalizar, uma fatia de bolo de chocolate. O atendimento que é super, hiper, mega lento! Nossa conta totalizou em $48,00 soles, já com gorjeta incluída.

Nosso lanchinho delicioso no Hearts Cafe, em Ollantaytambo.


Às 14:00 saímos do Hearts Cafe e continuamos nosso passeio pelo centrinho de Ollantaytambo. A cidade possui uma pequena e graciosa praça, chamada de Plaza de Armas, muito bem cuidada e florida. Ao redor da praça estão vários estabelecimentos, como restaurantes, lojas, agências de turismo, além de prédios da administração de Ollantaytambo.

Compondo a decoração da pracinha, podemos ver alguns símbolos característicos da região do Vale Sagrado, como, por exemplo, a denominada Trilogia Inca, que divide o mundo em três níveis espirituais (pachas), sendo representados por três animais sagrados: o condor, o puma e a serpente. O condor andino, maior ave do mundo, representa o mundo dos espíritos, o puma representa o mundo dos homens e a serpente representa o mundo dos mortos.

Passeando pelo centro de Ollantaytambo.

Bela e graciosa pracinha central de Ollantaytambo.

Representação da Trilogia Inca: o condor, o puma e a serpente.

Muitas lojas e restaurantes no centro de Ollantaytambo.


Às 14:30, voltamos ao hotel El Albergue. Chegando lá, ficamos passeando pelos seus jardins, que são belíssimos, repletos de flores coloridas, muito agradável. Foi quando Josefina, funcionária do hotel, nos convidou para conhecer a horta, onde são cultivados a maioria dos vegetais utilizados na cozinha do hotel, incluindo diferentes tipos de milhos, quinoa, batatas, e muitos outros. Josefina nos proporcionou uma verdadeira visita guiada ao local, nos mostrando cada plantação e nos dando várias informações. Foi ótimo!

Depois de passear pela horta do hotel El Albergue, voltamos aos jardins e aproveitamos para descansar no redário que há disponível. Isso que é vida!

Voltando ao hotel El Albergue que fica dentro da estação de trem de Ollantaytambo.

Um pedacinho dos belos jardins do hotel El Albergue Ollantaytambo.

Lindas flores espalhadas pelo hotel El Albergue Ollantaytambo.

Visitando a horta do hotel El Albergue Ollantaytambo.

Diferentes tipos de milho cultivados na horta do hotel El Albergue Ollantaytambo.

Curtindo o redário do hotel El Albergue Ollantaytambo.


Mais tarde voltamos para o nosso quarto e perto das 19:00 descemos novamente, pois havíamos feito reserva para o jantar no restaurante do hotel.

De entrada, pedimos dois "Quinua Tabule". Já havíamos experimentado esta entrada no dia anterior e achamos divina, por isso repetimos a dose! De prato principal, minha mãe pediu meia porção de "Pasta al Chorizo Puttanesca", e eu pedi meia porção de "Pasta al Pesto". E para finalizar, pedimos de sobremesa um "Jossi Mocca Cake", um bolo de chocolate bem diferente. Tudo extremamente saboroso. Sem falar no atendimento sempre muito atencioso, simpático e cortês. Impressionante a qualidade do restaurante do hotel El Albergue. Merece o título de melhor restaurante de Ollantaytambo no TripAdvisor.

Nosso jantar maravilhoso no restaurante do hotel El Albergue Ollantaytambo.


Abaixo, o detalhamento da nossa conta no restaurante do hotel El Albergue (aqui o restaurante já inclui os 10% do serviço):

- Quinua Tabule: 2 x 19,00 = 38,00
- 1/2 Pasta Chorizo Puttanesca: 26,00
- 1/2 Pasta Pesto: 22,00
- Jossi Mocca Cake: 16,00
SUBTOTAL: 102,00
- Gorjeta (10%): 10,20
TOTAL: $112,20 soles


E com este jantar maravilhoso, finalizamos nossa experiência em Ollantaytambo. Só posso dizer que fiquei encantada com esta pequena cidade do Vale Sagrado. Não deixe de incluí-la no seu roteiro, a estadia aqui vale muito à pena.

Amanhã seguiremos de trem até Aguas Calientes (povoado de Machu Picchu).

Abaixo, o mapa com as atrações visitadas neste dia e o trajeto feito a pé (cerca de 2,5km sem contar com a visitação do sítio arqueológico).




GASTOS DIÁRIOS (em soles peruanos, para duas pessoas):

ESTIMATIVA DE GASTOS GASTOS EFETIVOS ECONOMIA
Almoço e lanche: 100,00 Almoço e lanche: 48,00 52,00
Jantar (El Albergue): 200,00 Jantar (El Albergue): 112,20 87,80
300,00 160,20 139,80
Saldo Anterior: 1.934,25 / Saldo Atual: 1.774,05 / Economia Geral: 391,40

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...