08 dezembro 2017

[Fernando de Noronha 2017] 4º dia: Praia do Boldró e Trilha Curta Atalaia

Nosso quarto dia em Fernando de Noronha! Como não tínhamos programado nada pela parte da manhã, aproveitamos para desfrutar um pouco da Praia do Boldró, a mais próxima do Dolphin Hotel, onde ficamos hospedadas.

À tarde foi dedicada para a trilha curta da Praia da Atalaia, onde há uma piscina natural ótima para fazer snorkeling e observar a vida marinha. Pena que o tempo não contribuiu... céu muito nublado e pancadas de chuva. Para saber exatamente nossa opinião sobre este passeio, continue lendo o post!

Para finalizar, aproveitamos para conhecer o restaurante Cacimba Bistrô, que fica na Vila dos Remédios, e está bem avaliado no TripAdvisor. 

RELATO DO DIA (Terça-Feira 24/10/2017):

Como hoje estamos com a manhã livre, aproveitamos para dormir um pouco mais. Porém, à tarde temos o passeio pela trilha curta da Praia da Atalaia, às 13:30, cujo agendamento expliquei na postagem do nosso primeiro dia em Fernando de Noronha.

Observação: A trilha curta para a Praia da Atalaia não precisa ser feita com acompanhamento de guia, porém é necessário o agendamento prévio feito de forma presencial pelo visitante, a depender da disponibilidade de vagas. O agendamento é feito no Centro de Visitantes do ICMBio.

Por sugestão das atendentes do Dolphin Hotel, onde estamos hospedadas, resolvemos passar a manhã na Praia do Boldró, a mais próxima do hotel. Saímos às 09:40 e fomos caminhando tranquilamente rumo à praia, mas não achei nada perto! O percurso é de 1,5km e chegamos à Praia do Boldró às 10:10.

Caminhando rumo à Praia do Boldró.

Quase lá! Ao fundo, o Mirante do Boldró (Posto de Observação).

Caminhando mais um pouco para chegar à Praia do Boldró.

Finalmente, o ponto de acesso à Praia do Boldró!


Chegando à Praia do Boldró, que estava praticamente vazia, resolvemos ficar na sua extremidade esquerda. Na maré baixa, é possível atravessar uma trilha de pedras para chegar à Praia do Americano. Inclusive, sobre as pedras, tem-se uma bela visão das praias vizinhas e do Morro Dois Irmãos.

Praia do Boldró.

Achamos o mar um pouco agitado na Praia do Boldró.

Ao fundo, já podemos avistar o Morro Dois Irmãos a partir da Praia do Boldró.

Praia do Americano, vizinha da Praia do Boldró.

Um "close" no Morro Dois Irmãos.

Praia do Boldró.

Belo dia em Fernando de Noronha.


Ficamos sentadinhas na praia apreciando o belo dia e a vista. Contudo, pouco aproveitamos a água, pois achamos o mar muito agitado e, onde estávamos, havia muitas pedras.

Por conta do tempo apertado que tínhamos e mais o tempo que levaríamos para chegar ao hotel, acabamos ficando apenas uma hora na Praia do Boldró e logo pegamos nosso rumo de volta ao hotel.

Porém, ao invés de pegar o mesmo caminho que utilizamos para acessar a praia, resolvemos pegar um "atalho"... uma espécie de escadaria de pedra em meio à vegetação que liga a praia ao Mirante do Boldró (Posto de Observação), pois vimos algumas pessoas fazendo isso. Péssima ideia! A trilha, além de ser bem íngreme, não possuía degraus bem definidos. Tenho certeza de que quem nos viu fazendo isso achou que eu estava querendo matar minha mãe! Tadinha! Coloco mami em cada situação!

Atalho que liga a praia ao Mirante do Boldró (Posto de Observação). Não recomendo!

Atalho que liga a praia ao Mirante do Boldró (Posto de Observação). Não recomendo!


Finalmente chegamos ao hotel! Havia pedido para a recepcionista nos alugar máscaras com snorkel e coletes, visto que são itens obrigatórios para a visitação da Praia da Atalaia, totalizando em R$ 40,00 para minha mãe e eu (o aluguel de cada item custa R$ 10,00).

No dia em que fizemos o agendamento do passeio, recebemos um papel com as seguintes instruções:

Obrigatório:
- Chegar com 20 minutos de antecedência do horário agendado, no portão da Atalaia (Vila do Trinta);
- Apresentar-se ao controle de acesso à trilha, portando o ingresso do Parque Nacional Marinho e RG;
- Uso de máscara, snorkel e colete flutuador;
- Recolher todo o lixo produzido e levá-lo de volta para os pontos de coleta.

Não é Permitido:
- Usar protetor solar, repelente e outros dermocosméticos;
- Usar nadadeiras, sapatilhas, luvas e hastes de câmeras;
- Tocar, perseguir e encurralar os animais;
- Interferir no ambiente natural;
- Jogar lixo na trilha, praia ou piscina.

Observações:
- A visitação à praia e a atividade de snorkeling estão sujeitas às condições naturais, podendo ser canceladas por motivos de segurança.
- Deve-se fazer a trilha acompanhando o grupo no seu horário para que todos cheguem juntos à praia.
- O mergulho só poderá iniciar após autorização e instruções do servidor que controla a visitação.
- Recomendamos o uso de calçados apropriados para trilhas, principalmente em dias de chuva.

Sendo assim, munidas de nosso equipamento de mergulho, às 12:40 pegamos um ônibus em frente ao hotel e pedimos para o motorista nos avisar onde descer. A tarifa estava custando R$ 5,00. Como minha mãe é isenta, por ser idosa, somente eu paguei.

Antes de descer do ônibus, o simpático motorista nos deu orientações sobre o caminho a ser seguido a pé para chegar ao local de saída da trilha. O bom é que também há placas indicando o caminho.

Esperando o ônibus na parada que fica em frente ao Dolphin Hotel.

Caminhando rumo ao local de saída da trilha para a Praia da Atalaia, na Vila do Trinta.


Chegamos ao local às 13:00 e ficamos esperando nossa saída agendada para às 13:30. Há bancos, uma pequena lanchonete, aluguel de equipamento para mergulho e banheiro químico.

Uma pena que o tempo fechou e começou a cair uma leve chuva...

Local de espera para a saída da trilha curta da Praia da Atalaia.


Às 13:30 em ponto, um funcionário do PARNAMAR chamou nosso grupo, algo em torno de 10 pessoas, momento em que apresentamos nossos ingressos do Parque Nacional Marinho e documento de identidade. Ele nos levou até o portão de acesso à trilha, que possui 1,5km de distância, e nos deu as orientações finais, visto que não há acompanhamento de guia.

E lá fomos mami e eu, devagar e sempre! O primeiro quilômetro é até que tranquilo, apesar de possuir alguns obstáculos pelo caminho. Contudo, os quinhentos metros finais é basicamente feito sobre pedras, necessitando de atenção e cuidados redobrados.

A chuva deu uma trégua, mas o tempo ainda estava bem nublado.

Iniciando a trilha curta em direção à Praia da Atalaia.

Neste ponto obrigatoriamente temos que seguir para a direita rumo à Praia da Atalaia.

Avistando a Praia da Atalaia... falta pouco agora!

Visão panorâmica da Praia da Atalaia.

Praia da Atalaia e sua piscina natural onde faremos snorkeling.


Às 14:00, enfim chegamos à Praia da Atalaia, onde uma funcionária do PARNAMAR fazia o controle e dava as orientações para o snorkeling.

Ela nos explicou que como o mar estava bem agitado, haveria um pouco de correnteza dentro da piscina e que deveríamos ter cuidado, principalmente para não colocar os pés no chão, pois agita a areia e atrapalha a visibilidade, além do perigo de pisar em algum coral.

Nos equipamos e entramos na água. Mami ficou mais perto da praia, pois ficou com medo da correnteza, e eu fui mais adiante. A funcionária dá a cada grupo de visitantes 30 minutos para usufruir o local.

Sem dúvida, a visibilidade aqui é perfeita, com águas bem límpidas. Porém, não sei se foi por conta do mar bastante agitado e gerando correnteza na piscina, vi pouquíssima vida marinha, somente peixinhos e nada mais...

Abaixo, dois vídeos que fiz do meu celular, devidamente protegido com uma capa de mergulho, durante nosso snorkeling na Praia da Atalaia.





No momento em que estávamos deixando a Praia da Atalaia, já havia um outro grupo de visitantes aguardando. Entretanto, como o tempo havia piorado, a funcionária do PARNAMAR acabou não liberando o mergulho e pediu para que o grupo esperasse mais um pouco. Já pensou enfrentar essa trilha e não poder fazer o snorkeling? Que chato... Mas é uma questão de segurança.

Às 14:30 deixamos a Praia da Atalaia e pegamos a trilha de volta. Levamos mais tempo para voltar porque o percurso é feito em uma leve subida com muitas pedras, o que vai cansando mais. Chegamos ao portão mais de 15:00. Compramos uma água de côco no local, ao preço inflacionado de R$ 10,00, e aproveitamos para descansar um pouco antes de ir embora.

Deixando a Praia da Atalaia e pegando a trilha de volta.

E lá vai mami firme e forte!


Bem... agora sendo bastante sincera e compartilhando o que também foi opinião de minha mãe... Não achamos que este passeio tenha valido à pena. Apesar de ter sido bastante recomendado pelo grupo fechado do Facebook denominado "Dicas de Noronha (Oficial)", por ser uma trilha curta e sem grandes dificuldades para a minha mãe, acabou sendo bastante cansativo para pouco proveito. O tempo permitido no local é de apenas 30 minutos e minha mãe não se sentiu confiante fazendo snorkeling na piscina natural, muito por conta da correnteza gerada pelo mar agitado. Talvez se tivéssemos tido sorte com o tempo e um mar calmo, nossa experiência fosse mais positiva.

E para completar a nossa falta de sorte, não consegui ligar para a NORTAX (81 3619-1314) para pedir um táxi. Fomos caminhando em direção à rua principal (BR-363) e nada de completar a ligação. Ficamos esperando um tempo na parada de ônibus e nada também! Como a fome estava tomando conta do nosso ser, afinal já eram 15:30 e ainda não havíamos almoçado, acabamos seguindo a pé até a Vila dos Remédios, onde escolhemos o restaurante Cacimba Bistrô para comer.

De entrada, não resisti em pedir o famoso pastel de lagosta! Na verdade, é uma porção com quatro pastéis bem gordinhos! Como a fome era grande e o olho também, acabamos nos empolgando e pedindo um prato principal para cada uma, o que depois se comprovou ser muita comida! Mami pediu camarões ao creme de jerimum servidos com arroz e farofa e eu fui de risoto cremoso de queijo e camarões.

As porções são bem servidas e a comida bastante saborosa. Eu adoro risoto, porém sou bem exigente com o ponto do arroz, que para mim deve estar "al dente". Acabei achando o arroz um pouco mole para o meu gosto e, à medida que o risoto esfriava, a textura ia ficando mais empapada. Essa foi a minha única reclamação do restaurante, que possui um ambiente agradável, decoração mais rústica e atendimento bastante simpático.

Nosso almoço no restaurante Cacimba Bistrô.


Abaixo, o detalhamento da nossa conta no restaurante Cacimba Bistrô:

- Suco: 2 x 12,00 = 24,00
- Pastel de lagosta: 59,00
- Risoto de camarão: 84,00
- Camarão com jerimum: 99,00
SUBTOTAL: 266,00
- Serviço (10%): 26,60
TOTAL: R$ 292,60


De buchinho super cheio, saímos do restaurante e fomos direto para a central da NORTAX pegar um táxi até o hotel, que custou R$ 21,00.

Chegamos ao Dolphin Hotel às 17:30 de onde não saímos mais devido ao cansaço extremo.

MAPA COM LUGARES VISITADOS:

Hoje caminhamos mais de 8km... pesado!



GASTOS EFETIVOS:

DESCRIÇÃO VALOR (R$)
Aluguel equipamento mergulho 40,00
Tarifa ônibus público 5,00
Água de côco 10,00
Almoço (Cacimba) 292,60
Táxi restaurante - hotel 21,00
TOTAL 368,60
Gasto Acumulado: R$ 2.080,69

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...