13 janeiro 2019

[China/Japão 2018] 7º dia: Passeio por Xangai

Sétimo dia de viagem reservado para fazer um passeio pelas principais atrações de Xangai, na China. Contudo, o mau tempo atrapalhou bastante e, por conta disso, tivemos que adaptar um pouco o roteiro do dia.

Pela manhã, visitei o Museu de Xangai (The Shanghai Museum), para fugir um pouco da chuva. O bom é que esse museu possui entrada gratuita e um ótimo acervo de arte chinesa antiga.

Em seguida, conheci o Bund, uma área revitalizada que se estende por cerca de 1,5km às margens do Rio Huangpu e de onde se tem uma vista privilegiada do famoso skyline de Xangai, composto pelos edifícios da região de Pudong, o moderno distrito financeiro e comercial da cidade.

Infelizmente, a visão do skyline de Pudong não foi a que eu esperava... A poluição era tanta que a visibilidade foi prejudicada por uma forte neblina cinzenta. Frustrante e impressionante ao mesmo tempo!

Depois, visitei o Yu Garden, famosa atração de Xangai, datada da Dinastia Ming. O lugar é lindo, mas pouco pude aproveitar por conta da chuva.

Para finalizar os passeios do dia, visitei a região de Pudong, onde subi no observatório do Shanghai Tower, segundo edifício mais alto do mundo. Apesar da visibilidade comprometida, o visual é incrível! Aproveitei para ver a cidade se iluminando enquanto a noite chegava.

A seguir, o relato detalhado deste dia, incluindo fotos, informações e uma comparação entre os gastos estimados com os gastos efetivos.

ROTEIRO ORIGINAL (Sexta-Feira 07/09/2018):

Walking tour pelo Bund
Yu Garden
Pudong
    Shanghai Tower (observatório)
Anoitecer no Bund
    Jantar no restaurante POP do hotel Three on the Bund (reserva às 19:30)
East Nanjing Road

ROTEIRO ADAPTADO:

Museu de Xangai (The Shanghai Museum)
East Nanjing Road
Walking tour pelo Bund
Yu Garden
Pudong
    Shanghai Tower (observatório)

RELATO DO DIA:

Primeiro dia inteiro em Xangai e já amanheceu com chuva... Aproveitei para levantar mais tarde, pois finalmente tive a minha primeira noite de sono decente depois de tantos dias enfrentando o jet lag. Relembrando...
Jet Lag: descompensação horária causada após mudanças do fuso horário em longas viagens de avião. Caracteriza-se por problemas físicos e psíquicos, especialmente do ciclo do sono. (fonte: Wikipédia)

Às 09:45, resolvi tomar café da manhã no Costa Coffee (rede britânica de cafeterias), que fica anexo ao Shanghai Marriott Hotel City Centre, onde me hospedei.

Achei o Costa Coffee tão caro quanto a Starbucks. Abaixo o detalhamento da conta do meu café da manhã, que se resumiu a um café mocha e um sanduíche.

- Café mocha: 31
- Sanduíche quente: 26
TOTAL: $57 yuans (aproximadamente R$31,00)


Depois do café da manhã, conversei com o meu amigo para adaptarmos o roteiro por conta da chuva e ele me disse que estava indo visitar o Museu de Xangai (The Shanghai Museum), localizado na People's Square, a cerca de 1km do meu hotel.

Como eu não havia levado guarda-chuva para esta viagem, solicitei um emprestado na recepção do hotel, sem custos.

Fui caminhando até a People's Square e cheguei ao Museu de Xangai às 10:45. Ainda bem que a chuva estava bem fraca.

Dica: O Museu de Xangai possui entrada gratuita! O funcionamento é diário, exceto às segundas-feiras, de 09:00 às 17:00, com última entrada às 16:00. O limite máximo é de 8 mil visitantes por dia.

Fachada do Museu de Xangai (The Shanghai Museum), na China.

Entrada gratuita ao Museu de Xangai (The Shanghai Museum), na China.


Quando entrei no museu, meu amigo já estava avançado na visita e me deu as dicas das melhores exposições. Ficamos de nos encontrar depois na cafeteria do museu, assim que eu finalizasse a minha visita.

O Museu de Xangai é relativamente pequeno, mas possui quatro andares contendo um acervo de mais de 120.000 peças de arte chinesa antiga, incluindo esculturas, cerâmicas, pinturas, móveis, etc.

Originalmente, o Museu de Xangai foi fundado em 1952 e funcionava em outra localização. Contudo, em 1996, o museu foi reconstruído em sua localização atual, na People's Square.

Visitei, por recomendação do meu amigo, apenas os dois primeiros andares, onde estavam as exposições de esculturas e cerâmicas, que, por sinal, são belíssimas!

Na galeria de esculturas, existem 120 estátuas cobrindo um período histórico da China que vai até a Dinastia Ming. Por sua vez, a galeria de cerâmicas possui peças que traçam 8.000 anos de história da China, desde a Era Neolítica até a Dinastia Qing. Sem dúvida, um acervo incrível!

Belo interior do Museu de Xangai (The Shanghai Museum), na China.

Algumas das peças em exposição na galeria de esculturas chinesas antigas, do Museu de Xangai.

Algumas das peças em exposição na galeria de cerâmicas chinesas antigas, do Museu de Xangai.


Confesso que fiz uma visita relâmpago ao Museu de Xangai, apenas de 30 minutos, pois meu amigo já estava me esperando na cafeteria do museu para darmos prosseguimento ao nosso passeio pela cidade, se a chuva deixasse!

Saímos do museu por voltas das 12:00 e ainda estava chuviscando. Para encurtar nossa caminhada em direção ao denominado Bund, uma das atrações mais visitadas de Xangai, pegamos o metrô na estação People's Square (sentido Pudong International Airport) e descemos na estação seguinte East Nanjing Road, de onde seguimos até o Bund.

Utilizamos o cartão do metrô válido por três dias ("Three-day Travel Pass"), que compramos no dia anterior (veja a postagem sobre nossa chegada a Xangai).

Observação: As estações de metrô de Xangai são bem sinalizadas em inglês. Então não tivemos qualquer dificuldade. Além do mais, o aplicativo Explore Shanghai com as rotas e mapas do metrô ajuda bastante (vide item 10 da postagem Planejamento Inicial). Ah, e o chip da Easysim4u com internet continuou funcionando sem problemas.

O trecho que caminhamos da East Nanjing Road é reservado apenas a pedestres e é repleto de lojas de marcas internacionais, desde as mais acessíveis até as de grifes luxuosas.

Caminhando pela East Nanjing Road, em Xangai, repleta de lojas de redes internacionais.


Depois de caminhar pela East Nanjing Road, enfim chegamos ao Bund (que significa cais aterrado), uma área revitalizada que se estende por cerca de 1,5km às margens do Rio Huangpu.

É justamente no Bund que se tem uma vista privilegiada do famoso skyline de Xangai, composto pelos edifícios da região denominada de Pudong, o moderno distrito financeiro e comercial da cidade.

Chegamos ao Bund às 12:30 e a visão foi ao mesmo tempo impressionante e frustrante! Digo isto pois encontramos o skyline de Pudong em meio à uma forte neblina cinzenta de poluição, deixando a visibilidade péssima. Neste dia, o AQI (Air Quality Index ou índice de qualidade do ar) estava 163, considerado insalubre, ou seja, a poluição do ar estava bem forte... Sem falar no chuvisco constante.

Chegando ao Bund, área revitalizada de Xangai às margens do Rio Huangpu, com a Oriental Pearl Tower ao fundo.

Skyline de Pudong, em Xangai, coberto por uma forte neblina de poluição.


A ideia original era fazer um walking tour pelo Bund, sugerido no site China Highlights, para conhecer a história da arquitetura e dos prédios importantes nesta região. Mas o tempo ruim nos desanimou bastante...

Mesmo assim, caminhamos por toda a extensão do Bund, na direção sul, com o objetivo de seguir para o Yu Garden, outra famosa atração em Xangai. Contudo, pouco aproveitamos o Bund e sua arquitetura. Uma pena!

Passeando pelo Bund, área revitalizada de Xangai às margens do Rio Huangpu.

À esquerda, o Hong Kong & Shanghai Bank. À direita, o prédio da Alfândega.

Passeando pelo Bund, área revitalizada de Xangai às margens do Rio Huangpu.


Pelo caminho, encontramos o Gucheng Park, o qual atravessamos, por volta das 13:40, para agilizar nossa chegada ao Yu Garden.

O Gucheng Park, cujo nome significa "cidade antiga", foi construído em 2002 e faz uma conexão entre o centro histórico de Xangai e a moderna região de Pudong.

Passando pelo Gucheng Park, em Xangai.

Passando pelo Gucheng Park, em Xangai.


Enfim chegamos ao centro histórico de Xangai, denominada de "cidade antiga de Xangai" (old city of Shanghai), onde fica o Yu Garden. Esta região é linda, repleta de construções históricas datadas da Dinastia Ming (1368-1644) espalhadas por pequenas ruas.

Atualmente, estas edificações abrigam diferentes estabelecimentos voltados principalmente aos turistas, como lojas de souvenirs, comida, joias, etc. Vale muito à pena explorar essa região.

Passeando pelo centro histórico de Xangai.

Região do Yu Garden, no centro histórico de Xangai.

Região do Yu Garden, no centro histórico de Xangai.

Região do Yu Garden, no centro histórico de Xangai.


Por volta das 14:00, compramos nossos ingressos do Yu Garden, que estavam custando $40 yuans por pessoa, e demos início à visitação do jardim. Pena que um chuvisco constante insistia em atrapalhar nosso passeio.

Um pouco de história...

A construção do Yu Garden é datada do fim do século XVI, durante a Dinastia Ming (1368-1644), por Pan Yunduan, para ser um local de descanso para o seu pai, o ministro Pan En.

Na época, o jardim era considerado o maior e mais prestigiado de Xangai, possuindo uma arquitetura única, com pavilhões, lagos, pontes, pagodas, esculturas e impressionantes jardins construídos em meio a rochas.

Infelizmente, o Yu Garden sofreu com numerosos danos no século XIX devido a guerras. Sua construção original foi quase toda destruída. O jardim foi recuperado no fim da Dinastia Qing (1644-1912). Contudo, em 1942, o local sofreu novos danos pelos japoneses.

Em seguida, o Yu Garden foi novamente recuperado, sendo aberto ao público em 1961 e declarado como monumento nacional em 1982.

(Fonte: Wikipedia)

Visitando o Yu Garden, famosa atração de Xangai.

Visitando o Yu Garden, famosa atração de Xangai.

Visitando o Yu Garden, famosa atração de Xangai.

Visitando o Yu Garden, famosa atração de Xangai.

Visitando o Yu Garden, famosa atração de Xangai.

Visitando o Yu Garden, famosa atração de Xangai.


A chuva atrapalhou bastante nossa visita ao Yu Garden, que é basicamente composto por áreas não cobertas. Como há muitos pisos em pedra, ficava até arriscado levar uma queda! Por conta disso, ficamos apenas 40 minutos passeando pelo jardim, que é muito bonito. Recomenda-se dispor de umas duas horas para conhecer bem o Yu Garden.

Saímos do jardim e fomos procurar um local para comer. O TripAdvisor apontava um Din Tai Fung na região, mas não encontramos. Ou o restaurante havia fechado, ou ainda estava para abrir. O fato é que a fome era tanta, que acabamos comendo em um McDonalds, por volta das 15:00. O combo de sanduíche, refrigerante e batatas fritas totalizou em $34 yuans (cerca de R$18,00).

Como a chuva havia engrossado, resolvemos dar um tempo maior no McDonalds. Deixamos o local somente às 15:45, quando a chuva tinha voltado a ser um chuvisco. Definitivamente, o dia de hoje não estava muito propenso a passeios ao ar livre e caminhadas... Mas, que jeito?!

O objetivo agora era seguir para Pudong, onde nossa intenção era visitar o observatório do Shanghai Tower, um dos edifícios mais altos do mundo.

Para chegar a Pudong, o melhor seria pegar o metrô na estação Yuyuan Garden. Então, caminhamos pela Fuyou Road até o cruzamento com a Henan Road, onde fica a estação. Neste cruzamento, encontramos um belo portão chinês.

Finalizando o passeio pelo centro histórico de Xangai.


Pegamos a linha 10 do metrô na estação Yuyuan Garden (sentido Xinjiangwancheng), fizemos baldeação na estação Nanjing East Road, onde pegamos a linha 2 (sentido Pudong International Airport), e finalmente descemos na estação Lujiazui. O trajeto levou uns 20 minutos.

Chegamos a Pudong por volta das 16:45 e seguimos rumo ao Shanghai Tower. Caminhamos por passarelas suspensas sobre as avenidas movimentadas de Pudong e, assim, pudemos vislumbrar os incríveis arranha-céus da região.

A região de Pudong começou a ser desenvolvida em 1990, à leste do Rio Huangpu, e rapidamente se tornou o moderno centro financeiro e comercial de Xangai, principalmente no bairro denominado Lujiazui. Aqui estão os principais e imponentes edifícios da cidade, formando um fabuloso skyline, que pode ser visto a partir do Bund, na margem oposto do Rio Huangpu. Pena que a neblina intensa de poluição atrapalhou a nossa visão do skyline, hoje pela manhã.

Também é em Pudong que fica o principal aeroporto de Xangai (Aeroporto Internacional de Pudong), onde, em breve, pegaremos um voo para Tóquio.

Definitivamente, três prédios se destacam em Pudong, por suas alturas, arquiteturas e proximidade uns dos outros (como vértices de um triângulo): Shanghai Tower (632 metros de altura), Shanghai World Financial Center (492 metros de altura) e Jin Mao Tower (421 metros de altura). Estes são os três edifícios mais altos de Xangai.

Chegando a Pudong, centro financeiro e comercial de Xangai.

Os três edifícios mais altos de Xangai: Shanghai World Financial Center, Jin Mao Tower e Shanghai Tower.


Chegamos ao Shanghai Tower às 17:15. Compramos nossos ingressos, que estavam custando $180 yuans por pessoa (quase R$100,00), e, no momento da compra, o atendente deixou bem claro que a visibilidade no observatório da torre estaria prejudicada por conta do mau tempo. Resolvemos subir mesmo assim, afinal, não teríamos outra oportunidade!

O Shanghai Tower teve sua construção iniciada em novembro de 2008, sendo finalizada em setembro de 2014 e inauguração em fevereiro de 2015. Seu observatório, no 118º andar, foi primeiramente aberto em julho de 2016, para apenas alguns visitantes, em um período de teste que foi até setembro de 2016. Em abril de 2017, o observatório abriu para o público em geral.

Atualmente, o Shanghai Tower é o segundo maior edifício do mundo, com 632 metros de altura e 128 andares, perdendo apenas para o Burj Khalifa, em Dubai, que possui 828 metros de altura.

Antes de chegar ao observatório no 118º andar, passamos por algumas exposições que fornecem vários dados interessantes sobre o edifício Shanghai Tower.

Lista dos 20 edifícios mais altos do mundo até 2018.


Finamente, pegamos o elevador, que sobe muito rápido, chegando à uma velocidade máxima de 18 metros/segundo! Chega os ouvidos entopem com a mudança de pressão!

No observatório do 118º andar, podemos contemplar uma visão de 360º. Por conta da neblina que ainda não havia se dissipado, não era possível ver muito além. Contudo, mesmo assim, é uma vista impressionante de Xangai!

Aproveitamos para ficar na cafeteria do observatório e tomar um café. Mas, definitivamente, foi o café mais caro que já tomei durante esta viagem à China! Meu café mocha, que nem estava tão bom, custou $48 yuans, cerca de R$26,00.

Como o sol estava se pondo por volta das 18:10, resolvemos ficar mais tempo no observatório para contemplar a cidade se iluminando à medida que a noite chegava.

Muitos prédios da região recebem uma iluminação especial, alguns até utilizam projeções em suas fachadas. Algo muito bonito de se ver.

Vista a partir do observatório do Shanghai Tower. Em destaque, o Jin Mao Tower e o Shanghai World Financial Center.

Vista incrível a partir do observatório do 118º do Shanghai Tower. Em destaque, a Oriental Pearl Tower.

Vista a partir do observatório do 118º do Shanghai Tower à noite.


Abaixo, alguns vídeos que gravei durante a minha visita ao observatório do Shanghai Tower:








Às 18:45, descemos do observatório. Eu havia feito reserva de uma mesa para o jantar às 19:30 no restaurante POP no terraço do hotel Three on the Bund. Contudo, desanimamos para voltar ao Bund e resolvemos jantar em Pudong.

Deixamos o Shanghai Tower e fomos para o Shanghai World Financial Center, que possui uma espécie de shopping com várias lojas e restaurantes.

O interessante desta área é que muitos edifícios estão interligados, seja pelo subterrâneo, seja por passarelas suspensas sobre as avenidas. Tentamos o acesso subterrâneo, mas não conseguimos nos localizar no ambiente fechado e decidimos ir pela rua mesmo!

Durante o percurso, não resisti em parar no meio da rua para tirar algumas fotos com os três maiores prédios de Xangai ao meu redor! Doida para ser atropelada!

Em meio aos três edifícios mais altos de Xangai!


Dentre as opções de restaurantes existentes no Shanghai World Financial Center, escolhemos jantar no Pizza Marzano, onde chegamos às 19:30. Acho que a culinária chinesa não terá mais vez nesta viagem!

Estávamos com muita fome, então pedimos entrada e prato principal. Não satisfeitos, finalizamos com uma pizza! Tudo estava delicioso!

Abaixo, o detalhamento da nossa conta no restaurante Pizza Marzano, em Xangai:

- Baked dough balls: 25
- Salada: 26
- Spaghetti Carbonara: 59
- Spaghetti alla Putanesca: 48
- Refrigerante: 18
- Pizza: 55
TOTAL: $231 yuans (aproximadamente R$127,00)


Como não tínhamos o valor correto em espécie e estávamos doidos para ir embora, deixamos o valor de $240 yuans, ou seja, pagamos $120 yuans cada.

Jantar delicioso no restaurante Pizza Marzano, situado no Shanghai World Financial Center.


Antes de ir embora do Shanghai World Financial Center, passamos no banheiro e, para a minha felicidade, nada de buraco no chão, e sim uma privada bem tecnológica! Uhuuuuu!

Banheiro com privada cheia de tecnologia, no Shanghai World Financial Center!

Região de Pudong iluminada à noite. Em destaque, a Oriental Pearl Tower.


Deixamos Pudong ao redor das 21:00 e pegamos o metrô de volta às nossas hospedagens. Entramos na estação Lujiazui e descemos na estação People's Square.

Da estação (saída 19), caminhei mais uns 15 minutos (cerca de 1km) até chegar ao ótimo Shanghai Marriott Hotel City Centre, onde fiquei hospedada em Xangai.

MAPA INDICATIVO:



GASTOS DIÁRIOS (em yuans):

ESTIMATIVA DE GASTOS GASTOS EFETIVOS ECONOMIA
Yu Garden: 40 Yu Garden: 40 0
Shanghai World Financial Center: 180 Shanghai World Financial Center: 180 0
Alimentação: 350 Alimentação: 259 91
570 479 91
Saldo Anterior: 1.411 / Saldo Atual: 932 / Economia Geral: 318

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...