17 fevereiro 2019

[China/Japão 2018] 11º dia: Ginza, Tsukiji, Templo Zojoji e Roppongi (Tóquio)

Terceiro dia em Tóquio, no Japão!

A manhã foi livre para dormir um pouco mais e renovar as energias. Aproveitei para passear um pouco por Ginza, região onde estava hospedada.

Para o almoço, fomos à região de Tsukiji, onde ficava o mercado de peixes de Tóquio, que foi transferido recentemente para Toyosu. Contudo, em Tsukiji ainda existe o denominado "mercado exterior", com várias lojas atacadistas e varejistas de peixes e frutos do mar, frutas, lojas de artigos para cozinha e muitos restaurantes.

Por óbvio, este é o local para comer um bom peixe fresco, especialmente o atum. Sendo assim, pedimos uma sugestão da nossa amiga Bia, do perfil @conhecendojapao, e ela nos indicou o restaurante Sushizanmai, para experimentarmos o clássico sushi de atum. A experiência gastronômica foi ótima! A qualidade do atum aqui é superior, bem fresco e muito saboroso. Recomendo!

Depois do almoço, visitamos o Templo Zojoji, sendo um templo budista fundado originalmente em 1393 e realocado para a sua localização atual em 1598. Do templo, é possível ter uma bela vista da Tokyo Tower, com sua estrutura alaranjada.

Mais tarde, seguimos para a região de Roppongi, onde conhecemos o Hard Rock Café, lanchamos no shopping Tokyo Midtown e finalizamos o dia visitando o observatório Tokyo City View, que fica no 52º andar do edifício Mori Tower, no complexo Roppongi Hills.

A seguir, o relato detalhado deste dia em Tóquio, incluindo fotos, informações e uma comparação entre os gastos estimados com os gastos efetivos.

ROTEIRO ORIGINAL (Terça-Feira 11/09/2018):

Ginza
Almoço em Tsukiji
Templo Zojoji
    Observar a Tokyo Tower
Roppongi
    Tokyo City View (observatório)
    Hard Rock Cafe Tokyo

RELATO DO DIA:

Hoje a manhã será livre. Então, aproveitei para acordar um pouco mais tarde, mas só um pouco!

Antes de encontrar meu amigo para tomar café da manhã, passei na frente do Teatro Kabuki-za, em Ginza, para tirar fotos.

Um pouco de história...

O Teatro Kabuki-za foi primeiramente inaugurado em 1889, durante o Período Meiji (1868-1912), para a apresentação de peças kabuki, uma forma de teatro típico japonês que utiliza um estilo de dança dramática, cuja origem remonta do início do século XVII.

Sua estrutura original era de madeira e, em outubro de 1921, o teatro acabou sendo destruído por um incêndio. No ano seguinte, foi dado início à reconstrução do teatro que, infelizmente, não chegou ao fim, sendo novamente destruído durante um terremoto em 1923.A nova construção foi finalizada em 1924.

Contudo, durante a Segunda Guerra Mundial, o Teatro Kabuki-za foi mais uma vez destruído, agora por conta de bombardeios. Somente em 1950, o teatro foi restaurado, com a preocupação de se manter o estilo arquitetônico de 1924.

O Teatro Kabuki-za foi demolido em 2010 e reconstruído três anos depois, com o objetivo de melhorar sua estrutura para suportar terremotos e também por questões de acessibilidade. Em 2013, o teatro foi reprojetado e restaurado.

Desde 2008, o estilo de teatro japonês kabuki integra a lista de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade da UNESCO.

(Fonte: Wikipedia)


Gostaria de ter tido tempo para assistir a uma peça de kabuki para conhecer mais da cultura japonesa, mas desta vez não deu... Quem sabe na próxima visita ao Japão?! ;-)

Fachada do Teatro Kabuki-za, em Ginza, Tóquio.


Às 09:00, encontrei meu amigo para tomar café da manhã no restaurante Denny's, em Ginza, o mesmo que fomos no dia anterior, pois a comida é boa e com um preço acessível.

Pedi um dos combos especiais de café da manhã, contendo pão tostado com queijo, ovo cozido e café, no valor de $430 ienes (aproximadamente R$14,00), com a taxa de 8% já incluída.

Meu café da manhã no restaurante Denny's, em Ginza, Tóquio.


Depois do café da manhã, nos separamos e ficamos de nos encontrar mais tarde para almoçar em algum restaurante na região de Tsukiji.

Resolvi passear um pouco por Ginza, onde estava hospedada.

Ginza é um moderno e elegante bairro no distrito de Chuo, em Tóquio, com um dos metros quadrados mais caros do mundo. Há inúmeras lojas, restaurantes e cafeterias, incluindo marcas luxuosas de grifes internacionais. A rua mais badalada de Ginza, sem dúvida, é a Chuo Dori.

Dica: Nos fins de semana, a Chuo Dori fica fechada para o tráfego de veículos das 12:00 às 17:00 (até às 18:00 nos meses de abril a setembro) para circulação apenas de pedestres.

Como ainda estava cedo pela manhã, encontrei praticamente todas as lojas fechadas, pois costumam abrir apenas a partir das 11:00, algumas a partir das 12:00. O lado bom disso é que não fiquei tentada a gastar dinheiro!

Porém, na Chuo Dori há uma loja imensa da Uniqlo (com doze andares, sendo a maior Uniqlo do mundo), onde pretendo fazer umas comprinhas antes de deixar Tóquio.

Se você ainda não conhece a Uniqlo, sugiro dar uma pesquisada, pois esta marca japonesa possui todo o tipo de roupa, muitas utilizando tecnologia para proteger do frio ou aliviar o calor. Existem lojas da Uniqlo em Nova York, Paris, Londres, Xangai e outras importantes cidades do mundo.

Passeando por Chuo Dori, badalada rua de Ginza, Tóquio.


Em um dos principais cruzamentos da Chuo Dori está o edifício da Wako com sua emblemática torre do relógio. A empresa Wako foi fundada em 1881 com inauguração da loja, e sua primeira torre de relógio, em Ginza em 1895, durante o Período Meiji (1868-1912).

O edifício original foi todo reconstruído com uma nova arquitetura e uma nova torre de relógio, inaugurado em 1932. Esta é a construção que se mantém até hoje.

Em 1966, os relógios existentes na torre foram trocados por novos da marca Seiko. Atualmente, o edifício da Wako com sua torre do relógio se tornou o principal símbolo de Ginza.

Edifício da Wako com sua torre do relógio, um símbolo de Ginza, em Tóquio.


Há vários outros edifícios com arquitetura diferenciada em Ginza, como o Ginza Place e o Tokyu Plaza. Os dois primeiros andares do Ginza Place são ocupados pela Nissan, possuindo um salão de exposição de veículos (Nissan Crossing). Já o Tokyu Plaza é um shopping com lojas e, principalmente, restaurantes bem indicados que eu adoraria ter conhecido! Mas ficará para uma próxima oportunidade!

Edifício Ginza Place, possuindo um salão de exposição de veículos da Nissan.

Shopping Tokyu Plaza, em Ginza, Tóquio.


Às 11:45, meu amigo e eu nos encontramos novamente para almoçar em um restaurante na região de Tsukiji, onde ficava o famoso mercado de peixes de Tóquio. Como Tsukiji é vizinho a Ginza, fomos a pé mesmo, caminhando uns 10 minutos pela Harumi Dori.

Além do mercado em si (denominado "mercado interior"), onde ocorriam os famosos leilões de atum e a maior parte do processamento dos peixes, nos seus arredores ainda há várias lojas atacadistas e varejistas de peixes e frutos do mar, frutas, lojas de artigos para cozinha e restaurantes (parte chamada de "mercado exterior").

A quantidade de restaurantes em Tsukiji é imensa. Por óbvio, este é o local para comer um bom peixe fresco, especialmente o atum. Sendo assim, pedimos uma sugestão da nossa amiga Bia, do perfil @conhecendojapao, e ela nos indicou o restaurante Sushizanmai, para experimentarmos o clássico sushi de atum.

Região de Tsukiji, onde ficava o principal mercado de peixes de Tóquio.


Quando chegamos ao restaurante Sushizanmai, um pouco antes das 12:00, já havia uma pequena fila de espera do lado de fora. Esperamos uns 10 minutos e fomos levados à uma mesa no piso superior. Além das mesas, é possível também escolher comer no balcão, cuja espera por vaga é menor.

Há um cardápio especial de almoço, com preços mais acessíveis, contendo uma boa variedade de combos já montados para facilitar a escolha, acompanhado de sopa de missô (miso soup). Além do mais, no cardápio há fotos dos pratos e tradução para o inglês.

Eu escolhi um prato clássico contendo diferentes sushis de atum, incluindo atum cru e cozido, a um preço de $3.000 ienes (aproximadamente R$100,00). Meu amigo já foi mais audacioso e pediu um prato com cortes de outros peixes além do atum, no valor de $2.000 ienes (cerca de R$67,00).

Para beber, fomos de cerveja.

Fachada do restaurante Sushizanmai, em Tsukiji, Tóquio.

Interior do restaurante Sushizanmai, em Tsukiji, Tóquio.

Cardápio de almoço do restaurante Sushizanmai, em Tsukiji, Tóquio.


Curiosidade: A melhor parte do atum é a barriga (toro), sendo mais cara e mais nobre, e se divide em: otoro (extra-gordurosa), chutoro (gordurosa) e akami (próxima ao rabo, com menos gordura, sendo mais indicada para rechear os rolinhos de sushi). Quanto mais gordurosa, mais branca é a carne e mais nobre também é o corte. (fonte: site Sushi a la Carte)

No combo que escolhi vinham 13 peças de sushis de atum assim distribuídas:

- 2un otoro (atum extra-gorduroso)
- 2un chutoro (atum gorduroso)
- 2un akami (atum menos gorduroso)
- 2un atum grelhado (cozido)
- 3un sushi (rolinho de arroz recheado com atum)
- 2un negitoro (rolinho de atum amassado com cebolinha por cima)

Uns 20 minutos depois, nossos pratos chegaram. Não poderia ter feito melhor escolha. A qualidade do atum é superior, bem fresco e muito saboroso. Dos diferentes tipos de atum que experimentei, o que estranhei mais no sabor foi o atum cozido (grelhado). Meu preferido foi o chutoro, que é o corte de atum com gordura mediana.

Por sua vez, meu amigo gostou de ter experimentado algo diferente, mas tiveram uns dois peixes que ele não gostou... lembro que um era amarelo! Faço a menor ideia de que peixes eram!

Combo de almoço que meu amigo pediu no restaurante Sushizanmai, em Tsukiji, Tóquio.

Meu combo de almoço que pedi no restaurante Sushizanmai, em Tsukiji, Tóquio.

Sushi de atum delicioso no restaurante Sushizanmai, em Tsukiji, Tóquio.


Abaixo, o detalhamento da minha conta no restaurante Sushizanmai, em Tsukiji:

- Combo de almoço: 3.000
- Cerveja: 550
SUBTOTAL: 3.550
- Taxa (8%): 284
TOTAL: $3.834 ienes (aproximadamente R$128,00)


Às 13:15, saímos do restaurante e fomos até o mercado de peixes de Tsukiji, o denominado "mercado interior" (que, na época da viagem, ainda existia). Contudo, à esta hora, o mercado principal já estava fechado. Impressionante como tudo é deixado bem limpo.

Informação Importante: O chamado mercado interior de Tsukiji foi fechado em outubro de 2018, restando na região apenas o denominado mercado exterior, repleto de lojas e restaurantes. O mercado de peixes foi transferido para Toyosu, sendo chamado agora de mercado de Toyosu.

Um pouco de história...

O mercado de Tsukiji era o maior mercado atacadista de peixes e frutos do mar do mundo, com inauguração em fevereiro de 1935, em substituição ao antigo mercado de peixes de Nihonbashique, datado do Período Edo (1603-1867), que foi destruído por um terremoto em 1923.

Nas redondezas do mercado profissional e atacadista de Tsukiji, denominado de "mercado interior", desenvolveu-se o "mercado exterior", uma mistura de lojas de atacado e varejo que vendem utensílios de cozinha, suprimentos de restaurantes, mercearias e frutos do mar, e muitos restaurantes, especializados principalmente em sashimis e sushis.

O mercado de Tsukiji abria quase que diariamente (exceto domingos, feriados e algumas quartas-feiras) às 3 horas da manhã com a chegada de produtos por navio, caminhão e avião de todo o mundo, ficando famoso especialmente por conta dos leilões de atum, que começavam por volta das 5 horas da manhã. As operações do mercado começaram a atrair muitos visitantes, e, em 2010, foi estipulado um limite máximo de 120 visitantes por dia, e por ordem de chegada, para presenciar os leilões de atum. Por conta disso, muita gente chegava ao mercado às 2 horas da manhã para garantir uma vaga. No fim da manhã as vendas finalizam e, por volta das 13:00, o mercado principal era fechado para inciar sua limpeza.

Com a transferência do mercado atacadista de peixes para Toyosu, em 2018, na região de Tsukiji ficou apenas o mercado exterior. Contudo, o mercado exterior de Tsukiji continua sendo abastecido pelo mercado de Toyosu. Assim, Tsukiji ainda é um dos melhores locais em Tóquio para degustar um ótimo peixe fresco (e outros frutos do mar), principalmente o atum.

(Fonte: compilado dos sites Tokyo Travel, Wikipedia e site oficial do Mercado Exterior de Tsukiji)


Depois de visitar a região de Tsukiji, pegamos o metrô da linha Oedo na estação Tsukijishijo e descemos na estação Daimo. O objetivo agora era visitar o Templo Zojoji, onde chegamos por volta das 14:00. Daqui é possível ter uma bela vista da Tokyo Tower, com sua estrutura alaranjada.

Um pouco de história...

Zojoji, que é um templo budista, foi fundado em 1393 e realocado para a sua localização atual em 1598 por Tokugawa Ieyasu. O Templo Zojoji tornou-se o templo da família Tokugawa, que liderou o Japão durante o Período Edo (1603-1868).

Contudo, grande parte da área do Templo Zojoji foi destruída devido a incêndios, desastres naturais e bombardeios durante a Segunda Guerra Mundial. Muitas das edificações atuais do templo foram reconstruídas. Uma das construções originais do Templo Zojoji é o Sangedatsumon, portão principal do templo, construído em 1622.

A área do Templo Zojoji possui várias edificações, incluindo um pequeno museu e o mausoléu da família Tokugawa.

(Fonte: compilado dos sites Tokyo Travel, Wikipedia e site do Templo Zojoji)


Ainda no Templo Zojoji há um local reservado para proteção das crianças não nascidas, sejam aquelas que ainda vão nascer ou que faleceram durante a gestação/nascimento. Os pais escolhem uma estátua do jardim para representar a criança e, então, decoram a estátua com chapéu, avental e um catavento para a sua proteção.

Também é possível encontrar no templo os denominados "omikuji", palavra traduzida como "loteria sagrada". Os omikuji são papéis enrolados contendo uma previsão para o futuro (praticamente um biscoito da sorte, mas sem o biscoito!). Se o conteúdo for bom, a pessoa guarda consigo o papel, caso contrário, deverá amarrá-lo em local específico (árvore, corda) na parte externa do templo para se livrar da má sorte.

Sangedatsumon, portão principal do Templo Zojoji, em Tóquio.

Visitando o Templo Zojoji, em Tóquio.

Visitando o Templo Zojoji, em Tóquio. Ao fundo, a Tokyo Tower.

Visitando o Templo Zojoji, em Tóquio.

Visitando o Templo Zojoji, em Tóquio.

Visitando o Templo Zojoji, em Tóquio.

Visitando o Templo Zojoji, em Tóquio.

Visitando o Templo Zojoji, em Tóquio.

Visitando o Templo Zojoji, em Tóquio.




Fizemos uma visita rápida ao Templo Zojoji e, por volta das 14:30, deixamos o local e caminhamos até a estação Akabanebashi para pegar o metrô rumo a Roppongi.

No caminha à estação, vimos a Tokyo Tower (Torre de Tóquio) bem de perto. É possível visitar seu observatório que fica a 150 metros de altura. Porém, não incluímos esta visita no roteiro, pois já vamos visitar o observatório do edifício Tokyo City View, em Roppongi.

A Tokyo Tower é uma torre de comunicação que possui cerca de 333 metros de altura e foi inaugurada em dezembro de 1958. Sua arquitetura foi inspirada na Torre Eiffel, porém pintada de branco e laranja em cumprimento a regulamentos da segurança aérea.

Tokyo Tower, um dos símbolos de Tóquio.


Desembarcamos na estação de Roppongi por volta das 15:00 e, o primeiro lugar que eu queria visitar era o Hard Rock Cafe Tokyo (HRC).

Curiosidade: Vale ressaltar que a  região de Roppongi é famosa pela sua vida noturna agitada, com vários bares, pubs e outros tipos de baladas. Na região também estão diversas cafeterias, lanchonetes e restaurantes, tanto locais, quanto de franquias internacionais. Sem falar nos museus de arte e eventos que acontecem durante todo o ano. Sem dúvida, Roppongi é uma região bastante cosmopolita de Tóquio.

Enquanto caminhávamos rumo ao HRC, encontramos uma casa de câmbio (World Wide Money) com uma boa cotação e resolvemos entrar para trocar dinheiro. A cotação do dólar estava $109,17 ienes. Troquei $200 dólares e recebi um total de $21.834 ienes.

Dica de casa de câmbio (World Wide Money) em Roppongi, Tóquio.


Enfim encontramos o Hard Rock Cafe em Roppongi e confesso que fiquei um pouco decepcionada com o que vi. A loja e o restaurante ficam separados, um em cada esquina, e a fachada do restaurante não causa impacto, mesmo possuindo uma guitarra gigante...

Entrei apenas na loja e comprei uma blusa para a minha coleção e mais um broche do HRC com a Hello Kitty, personagem originado no Japão.

Fachada do Hard Rock Cafe, em Roppongi, Tóquio.


Depois de visitar o HRC, seguimos para o shopping Tokyo Midtown, ainda em Roppongi, pois eu queria fazer um lanche e, em seguida, experimentar os doces da Pâtisserie Sadaharu AOKI Paris, indicação da Bia do @conhecendojapao.

Às 15:30, chegamos ao shopping Tokyo Midtown, que é enorme, bonito e cheio de lojas chiques, restaurantes e lanchonetes charmosas, além de barracas vendendo comidas tradicionais do Japão.

Dentre as várias opções, escolhi fazer meu lanche no Dean & Deluca, uma franquia americana de mercearias de alto padrão, com primeira loja inaugurada em Nova York em 1977. Atualmente, há várias unidades espalhadas por Tóquio.

A unidade do Dean & Deluca no shopping Tokyo Midtown é uma cafeteria e pequeno mercado. São tantos itens com cara deliciosa que fica difícil escolher o que comer!

Abaixo, o detalhamento dos preços do lanche que fiz no Dean & Deluca, em Roppongi:

- Suco de manga: 340
- Sanduíche: 650
SUBTOTAL: 990
- Taxa (8%): 79
TOTAL: $1.069 ienes (aproximadamente R$35,00)

Meu lanche no Dean & Deluca, em Roppongi, Tóquio.


Depois do lanche rápido no Dean & Deluca, fomos experimentar os doces da Pâtisserie Sadaharu AOKI Paris, também no shopping Tokyo Midtown, em Roppongi.

Sadaharu Aoki é um chef japonês que abriu sua primeira loja em 1998, em Paris. Em 2005, ele finalmente inaugurou sua primeira loja no Japão. Sadaharu Aoki é famoso por seus doces refinados utilizando ingredientes típicos japoneses.

A vitrine da Pâtisserie Sadaharu AOKI Paris é de enlouquecer com tantos doces bonitos e com aparência saborosa. Mas, resolvi experimentar um prato de degustação, contendo seis pequenos doces variados.

Experiência gastronômica na Pâtisserie Sadaharu AOKI Paris, em Roppongi, Tóquio.

Experiência gastronômica na Pâtisserie Sadaharu AOKI Paris, em Roppongi, Tóquio.


Os doces são lindos e deliciosos! Adorei a experiência, apesar de cara.

Abaixo, o detalhamento da conta na Pâtisserie Sadaharu AOKI Paris, em Roppongi, Tóquio (taxa de 8% já incluída nos preços):

- Doces para degustação: 1.760
- Chá gelado: 960
TOTAL: $2.720 ienes (aproximadamente R$90,00)

Ainda bem que meu amigo dividiu a conta comigo, ficando $1.360 ienes para cada um.

Às 17:00 deixamos o shopping Tokyo Midtown e seguimos a pé rumo ao complexo Roppongi Hills, para visitar a última atração do dia, o observatório Tokyo City View.

Roppongi Hills é um complexo de prédios e áreas de lazer idealizado e construído por Minoru Mori. O complexo possui diversas lojas, restaurantes, cafeterias, salas de cinema, museu, hotel, salas de escritório, apartamentos, estúdio de TV, anfiteatro externo e parques. O edifício principal é a Mori Tower com 238 metros de altura e 54 andares. O complexo levou 17 anos para ficar pronto e foi aberto ao público em abril de 2003. (Fonte: Wikipedia)

É no interior do edifício Mori Tower que está o Mori Art Museum (museu de arte moderna) e, no topo do edifício, o observatório Tokyo City View.

Em frente a Mori Tower, próximo à sua entrada, está a escultura "Maman", do artista francês Louise Bourgeois. A escultura é uma réplica de uma aranha com quase 30 metros de altura, feita de aço, bronze e mármore. Existem ao todo seis esculturas "Maman" expostas pelo mundo, sendo a criação original criada em 1999 para exposição no museu Tate Modern, em Londres.

Escultura "Maman", em frente a Mori Tower, em Roppongi.


Chegamos a Mori Tower às 17:20. Na bilheteria, fomos informados que o Mori Art Museum já estava fechado, pois às terças-feiras o museu fecha mais cedo às 17:00, com última entrada às 16:30. Nos demais dias da semana, o museu funciona das 10:00 às 22:00, com última entrada às 21:30.

O ingresso para o observatório Tokyo City View, que fica no 52º andar do edifício Mori Tower, também dá acesso ao Mori Art Museum. Contudo, como o museu já estava fechado, visitaríamos apenas o observatório. O ingresso custou $1.800 ienes (aproximadamente R$60,00) por pessoa.

Observação: Além do observatório Tokyo City View no 52º andar, também há o denominado "Rooftop Sky Deck", um terraço a céu aberto no topo do edifício Mori Tower. Contudo, para acessar o Sky Deck, é necessário pagar um valor extra de $500 ienes.

Ficamos no observatório das 17:30 até às 20:00. Daqui podemos ver a Tokyo Tower, Odaiba, a Tokyo Skytree e diversos outros lugares de Tóquio. Pena que o tempo estava bem nublado, o que comprometia um pouco a visibilidade. Mas, mesmo assim, ficamos apreciando o fim de tarde e a cidade se iluminando à medida que escurecia. Nesta época, o sol estava se pondo por volta das 18:00.

Tokyo Tower vista a partir do observatório Tokyo City View, em Roppongi.

Odaiba e Rainbow Bridge vistos a partir do observatório Tokyo City View, em Roppongi.

Tokyo Skytree visto a partir do observatório Tokyo City View, em Roppongi.

Tokyo Tower iluminada à noite vista a partir do observatório Tokyo City View, em Roppongi.


Deixamos Roppongi e pegamos o metrô de volta a Ginza, onde estávamos hospedados.

Às 20:30, fomos jantar no restaurante Denny's, o mesmo onde tomamos café da manhã. Como adorei o tonkatsu, prato típico que experimentei no dia anterior no restaurante Wako em Odaiba (veja a postagem do nosso dia em Odaiba), resolvi pedir um. Contudo, o tonkatsu do Denny's é bem inferior ao tonkatsu do restaurante Wako, que é maravilhoso!

Abaixo, o detalhamento do meu jantar no restaurante Denny's, em Ginza (taxa de 8% já incluída nos valores dos itens):

- Tonkatsu: 1.130
- Refrigerante: 210
TOTAL: $1.340 ienes (aproximadamente R$45,00)

Jantando um tonkatsu no restaurante Denny's em Ginza, Tóquio.


Antes de retornar ao hotel Millennium Mitsui Garden, onde estava hospedada, resolvi dar uma voltinha rápida por Chuo Dori, a badalada rua de Ginza, para ver os prédios iluminados. Tudo muito bonito!

Passeando à noite por Ginza toda iluminada!

MAPA INDICATIVO:



TROCA DE MOEDA:

MOEDA TROCADA EQUIVALENTE A IENES COTAÇÃO
USD 200 JPY 21.834 109,17
Ienes Adquiridos: 21.834 / Total de Ienes Adquiridos na Viagem: 64.230 / Resta em Dólares: 0

GASTOS DIÁRIOS (em ienes):

ESTIMATIVA DE GASTOS GASTOS EFETIVOS ECONOMIA
Tokyo City View: 1.800 Tokyo City View: 1.800 0
Alimentação: 5.000 Alimentação: 8.033 -3.033
6.800 9.833 -3.033
Saldo Anterior: 28.258 + 21.834 = 50.092 / Saldo Atual: 40.259 / Economia Geral: 4.069

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...